Descentralização de Políticas Sociais: Limites Para a Consolidação de Uma Gestão Democrática do Programa Segundo Tempo.

Por: e .

XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Conice - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

O presente artigo apresenta pesquisa sobre o modelo de gestão adotado pelo Programa Segundo Tempo (PST) de responsabilidade do Ministério do Esporte. A referida pesquisa buscou identificar os limites interpostos para a consecução de uma gestão democrática dentro do PST, analisando a descentralização gestacional proposta pelo programa. Utilizando-se de categorias e indicadores presentes no modelo metodológico proposto por Boschetti (2009), observamos que o PST apresenta dificuldades em consolidar um modelo de gestão descentralizada que caminhe para a municipalização. Em contraposição, percebemos vestígios do que denominamos de “desresponsabilização” estatal. Nesse sentido, verificamos que as dificuldades existentes são consequência da adoção de rígidos critérios técnicos e burocráticos característicos de um Estado Regulador e de uma concepção tecnocrata, ofuscados nos documentos analisados sob os argumentos da autonomia organizacional e a descentralização operacional.

Endereço: http://cev.org.br/eventos/xvii-conbrace-iv-conice/

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.