Desempenho no Teste de Força Máxima: Comparação Entre Supino Reto com Barra e Halteres em Adultos Treinados

Por: Gledson Tavares de Amorim Oliveira, Leonardo de Sousa Fortes, Pedro Pinheiro Paes e Petrus Gantois Massa Dias dos Santos.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Este estudo teve como objetivo comparar o desempenho no teste de uma repetição máxima nos exercícios de supino reto com barra e supino reto com halteres. O estudo é do tipo quase experimental, com desenho cross-over. Participaram 10 indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis, com experiência mínima de seis meses em treinamento resistido. Os voluntários foram submetidos ao teste de uma repetição máxima nos respectivos exercícios de supino. Para comparar o desempenho da força entre os exercícios, foi utilizada a Análise Univariada de Covariância, com a idade e o índice de massa corporal sendo covariáveis. A análise estatística foi realizada por meio do SPSS 21.0, sendo adotado um valor significante de p<0,05. Foi verificado um tamanho do efeito de Cohen (d=0,7), e uma diferença significativa entre os exercícios (p<0,001), com o supino reto com barra apresentando maior valor médio (84,4 ± 13,50) em relação aos halteres (70,2 ± 8,87). Não houve interação da idade (p<0,69) e do índice de massa corporal (p<0,40) com a performance nos exercícios. Os resultados demonstraram melhor desempenho da força no supino reto com barra em relação aos halteres.

Referências
1. Ribeiro AS, et al. Reliability of one-repetition maximum test in untrained young adult men and women. Isokinet
Exerc Sci. 2014; 22: 175-82.
2. American College of Sports Medicine. American College of Sports Medicine position stand. Progression models in
resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc. 2009; 41(3): 687-708.
3. Mangine GT, et al. The effect of training volume and intensity on improvements in muscular strength and size in
resistance trained men. Physiol Rep. 2015; 3(8): 1-17.
4. Ritti-Dias RM, Avelar A, Menêses AL, Salvador EP, Silva DRP, Cyrino ES. Segurança, reprodutibilidade, fatores
intervenientes e aplicabilidade de testes de 1-RM. Mot Rev Educ Física. 2013; 19(1): 231-42.
5. Ratamess NA, Faigenbaum AD, Hoffman JR, Kang J. Self-selected resistance training intensity in healthy women:
the influence of a personal trainer. J Strength Cond Res. 2008; 22(1): 103-11.
6. Abdul-Hameed U, Rangra P, Shareef MY, Hussain ME. Reliability of 1-repetition maximum estimation for upper
and lower body muscular strength measurement in untrained middle aged type 2 diabetic patients. Asian J Sports Med.
2012; 3(4): 267-73.
7. Verdijk LB, Van Loon L, Meijer K, Savelberg HHCM. One-repetition maximum strength test represents a valid
means to assess leg strength in vivo in humans. J Sports Sci. 2009; 27(1): 59-68.
8. Ritti-Dias RM, Avelar A, Salvador EP, Cyrino ES. Influence of previous experience on resistance training on
reliability of one-repetition maximum test. J Strength Cond Res. 2011; 25(5): 1418-22.
9. Soares-Caldeira LF, Ritti-Dias RM, Okuno NM, Cyrino ES, Gurjão ALD, Ploutz-Snyder LL. Familiarization
indexes in sessions of 1-RM tests in adult women. J Strength Cond Res. 2009; 23(7): 2039-45.
10. Marchetti PH, et al. Exercício supino : uma breve revisão sobre os aspectos biomecânicos. Brazilian J Sport Exerc
Res. 2010; 1(2): 135-42.
11. Schick EE, et al. A comparison of muscle activation between a Smith machine and free weight bench press. J
Strength Cond Res. 2010; 24(3): 779-84.
12. Saeterbakken AH, Tillaar RVD, Fimland MS. A comparison of muscle activity and 1-RM strength of three chestpress
exercises with different stability requirements. J Sports Sci. 2011; 29(5): 533-8.
13. Cotterman ML, Darby LA, Skelly WA. Comparison of muscle force production using the Smith machine and free
weights for bench press and squat exercises. J Strength Cond Res. 2005; 19(1): 169-76.
14. Behm DG, Anderson KG. The role of instability with resistance training. J Strength Cond Res. 2006; 20(3): 716-22.
15. Tillaar RVD, Sæterbakken AH. The sticking region in three chest-press exercises with increasing degrees of
freedom. J Strength Cond Res. 2012; 26(11): 2962-9.
16. Luczak J, Bosak A, Riemann BL. Shoulder Muscle Activation of Novice and Resistance Trained Women during
Variations of Dumbbell Press Exercises. J Sports Med. 2013; 2013: 1-6.
17. Ritti-Dias RM, et al. Influência do processo de familiarização para avaliação da força muscular em testes de 1-RM.
17Comparação entre supino reto com barra e halteres em adultos
R. bras. Ci. e Mov 2017;25(3):11-17.
Rev Bras Med do Esporte. 2005; 11(1): 34-8.
18. Lima P, Araújo R, Farah B, Cavalcante B, Santos M, Ritti-Dias R. Reprodutibilidade do teste de uma repetição
máxima em exercícios de força com pesos livres. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2013; 18(3).
19. Seo D, et al. Reliability of the one-repetition maximum test based on muscle group and gender. J Sports Sci Med.
2012; 11(2): 221-5.
20. Moura JA, Barros Júnior J, Cardoso Júnior M. Exerício supino horizontal: comparação de RM executados em
máquinas e pesos livres em diferentes intensidades por indivíduos experientes e pouco familiarizados. Rev Bras
Prescrição e Fisiologia do Exerc. 2011; 5(30): 510-9.
21. Chagas MH, Barbosa JRM, Lima FV. Comparação do número máximo de repetições realizadas a 40 e 80 % de uma
repetição máxima em dois diferentes exercícios na musculação entre os gêneros masculino e feminino. Rev Bras Educ
Física e Esporte. 2005; 19(1): 5-12.
22. Benton MJ, Raab S, Waggener GT. Effect of training status on reliability of one repetition maximum testing in
women. J Strength Cond Res. 2013; 27(7): 1885-1890.
23. Pereira MIR, Gomes PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição
máxima - Revisão e novas evidências. Rev Bras Med Esporte. 2003; 9(5): 325-35.


Este estudo teve como objetivo comparar o desempenho no teste de uma repetição máxima nos exercícios de supino reto com barra e supino reto com halteres. O estudo é do tipo quase experimental, com desenho cross-over. Participaram 10 indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis, com experiência mínima de seis meses em treinamento resistido. Os voluntários foram submetidos ao teste de uma repetição máxima nos respectivos exercícios de supino. Para comparar o desempenho da força entre os exercícios, foi utilizada a Análise Univariada de Covariância, com a idade e o índice de massa corporal sendo covariáveis. A análise estatística foi realizada por meio do SPSS 21.0, sendo adotado um valor significante de p<0,05. Foi verificado um tamanho do efeito de Cohen (d=0,7), e uma diferença significativa entre os exercícios (p<0,001), com o supino reto com barra apresentando maior valor médio (84,4 ± 13,50) em relação aos halteres (70,2 ± 8,87). Não houve interação da idade (p<0,69) e do índice de massa corporal (p<0,40) com a performance nos exercícios. Os resultados demonstraram melhor desempenho da força no supino reto com barra em relação aos halteres.
 

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/11

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.