Determinação do Componente Diferencial do Arremesso de Lance Livre: Força de Impulsão e Frenagem

Por: Paulo Tondato, Rosangela Romano, Sônia Corrêa e Ursula Julio.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Introdução: Como em todas as modalidades coletivas do esporte, os fundamentos
do jogo são importantes. Para o basquetebol, o arremesso do lance livre (LL) assume
um papel definitivo no resultado de uma partida, visto que a sua eficiência pode
alterar o resultado final. Objetivo: Identificar um componente que possa diferenciar
o arremesso de LL convertido do não convertido, analisando a força exercida
verticalmente durante a impulsão (FI) e frenagem (FF) na plataforma de força
(PF). Material e Método:A amostra foi composta por 11 atletas da categoria infantil
da Liga Atlética Mackenzie. Cada atleta realizou cinco LL, na quadra de
basquetebol, sendo que se convertidos três, seriam suficientes. A análise dos dados
foi realizada a partir do programa AMTI Net Force. Para a visualização dos gráficos
foi utilizado o programa BioAnalysis, que possibilitou verificar a força empregada
durante o arremesso, que posteriormente foi normalizado a partir do peso corporal
dos atletas, representando assim um percentual deste valor. Resultados: Para os LL
convertidos (19), foi observado que a FI (newtons) empregada representou um
aumento em média de 67% ± 23% no peso corporal, enquanto que a FF representou
76% ± 23%. Para os arremessos não convertidos (35), os valores de FI foram 58%
± 20%, e para a FF, 82% ± 12%. Discussão: De acordo com os nossos resultados
foi observado que a FF é sempre maior em relação à FI, indiferente se o arremesso
é convertido ou não. Este aumento observado, pode ser atribuído à aceleração que
o corpo sofre de acordo com a ação da gravidade. Porém, quando comparamos a
diferença entre a FF e FI, observamos que essa diferença é menor (9%) nos LL
convertidos em relação aos LL não convertidos (25%).Acreditamos que isto ocorra
em virtude de um possível desequilíbrio, ou seja, falta de domínio corporal que os
atletas apresentam durante a execução do LL, que na situação de não convertido,
ocasiona o aumento da força de frenagem, como forma de controlar o corpo e
assim retornar a posição inicial de equilíbrio. Conclusão: Concluímos que a diferença
entre FF e FI pode ser um componente determinador para a conversão do LL, visto
que quanto mais semelhantes são estas forças empregadas, maior será a chance de
conversão. A fluidez, a harmonia e o conseqüente domínio corporal mensurado
através da aplicação desta força é um fator tão importante quanto a execução técnica
do movimento.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/72_Anais_p377.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.