Determinação da Potência Aeróbia de Crianças e Adolescentes a Partir de Ajustes Alométricos

Por: .

2009 24/04/2009

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi determinar e analisar o comportamento da potência aeróbia (VO2pico) em valores absolutos e relativos por meio de expoentes lineares e alométricos, em crianças e adolescentes de 10 a 16 anos de Marechal Candido Rondon Paraná. A amostra foi intencionalmente composta por 248 indivíduos, sendo 124 rapazes e 124 moças. Medidas de estatura, massa corporal (MC) e dobras cutâneas foram realizadas. A gordura corporal e a massa corporal magra (MCM) foram determinadas pela equação de Boileau et al. (1986) para ambos os sexos. A potência aeróbia foi determinada diretamente por meio de teste cardiopulmonar de esforço em esteira, segundo o protocolo modificado de Balke, para ambos os sexos. Medidas ventilatórias (VE, VO2, QR) e homodinâmicas (FC) foram obtidas através do analisador metabólico de gazes VO2000 e do transmissor Polar, a cada 10 segundos. No tratamento estatístico dos dados, foi utilizada a estatística descritiva e as diferenças entre os sexos foram verificadas pelo teste t para amostras independentes. Os expoentes alométricos foram determinados através de uma regressão log-linear. Os resultados demonstraram que dos 10 aos 16 anos, os ganhos na potência aeróbia absoluta foram de 107% para os rapazes (1,67 para 3,46 L·min-1) e 66% para as moças (1,57 para 2,61 L·min-1), com diferenças a partir dos 14 anos. Os ganhos da potência aeróbia relativa à massa corporal foram de 12% (48,8 para 54,5 mL·kg-1·min-1) e 1% (42,9 para 43,3 mL·kg-1·min-1), com diferenças significantes entre os sexos em todas as idades, enquanto que relativos à MCM foram de 8% (58,0 para 62,9 mL·MCM-1·min-1) e 6% (53,3 para 56,3 mL·MCM- 1·min-1) para rapazes e moças respectivamente, com diferenças significantes entre os sexos a partir dos 12 anos. Os expoentes nos diferentes grupos etários e sexos variaram de 0,30-0,94 para a MC e de 0,44-1,32 para a MCM. No ajuste alométrico da MC, o expoente 0,91 (r=0,88) foi obtido para todos os rapazes, 0,82 (r=0,85) para todas as moças e 0,85 (r=0,81) para ambos os sexos. O ajuste da MCM gerou o expoente 1,00 (r=0,94) para os rapazes, 1,01 (r=0,87) para as moças e 1,02 (r=0,89) para ambos os sexos. Concluiu-se que a potência aeróbia de crianças e adolescentes foi adequadamente ajustada pela MCM1,0 e alométricamente pela MC0,85

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39132/tde-18112009-084750/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.