Diferentes Intensidades do Estiramento Muscular Sobre a Resistência de Força de Jovens Ativos

Por: Aderbal Borges de Almeida Neto, Alan Carlos Nery dos Santos, Diego Passos Diogo, Jefferson Petto, Lucas Santos Novais e Rogério Lima Gomes.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.22 - n.4 - 2014

Send to Kindle


Resumo

Técnicas de manutenção e ganho de flexibilidade são utilizadas com frequência na prática esportiva, no entanto, podem diminuir a força e a resistência de força. O objetivo do presento estudo foi verificar o efeito agudo da intensidade de duas formas de estiramento muscular, sobre a resistência de força de jovens ativos submetidos a exercício neuromuscular. Foram avaliados 30 jovens do sexo masculino com idade de 22 ± 2,85 anos, praticantes de exercício neuromuscular de forma regular por no mínimo seis meses. Os voluntários foram submetidos a três protocolos para analisar o efeito da intensidade do estiramento muscular sobre a resistência de força. Para todos os protocolos utilizou-se 70% da carga máxima predita para o exercício no supino reto. O teste estatístico empregado para análise dos resultados foi o ANOVA com post-hoc de TUKEY. As médias do número de repetições achados nos dias de protocolos foram: basal (12,4 ± 3,9), flexionamento (12,5 ± 4,1) e alongamento (12,1 ± 3,7), não sendo observada diferença estatística significativa no número de repetições máximas entre os dias de coleta. Os resultados deste estudo sugerem que a resistência de força de jovens treinados não diminui com a aplicação prévia de diferentes intensidades de estiramento nos exercícios neuromusculares.

Endereço: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v22n4p156-161

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.