Distância dos Pedais e Posicionamento dos Ombros : Análise Cinemática e Eletromiográfica em Diferentes Tipos de Saída Para Prova de 100 Metros Rasos no Atletismo

Por: Pedro Lanaro Filho.

2017 19/10/2017

Send to Kindle


Resumo

Resumo: Dentre as diversas variáveis que determinam o desempenho em provas de velocidade do atletismo, a fase de saída do bloco pode influenciar diretamente na produção de alta velocidade de deslocamento bem como no resultado final. Assim, deve-se considerar que as diferentes condições de saída para prova de 100 m rasos podem ser influenciadas pela regulagem dos pedais do bloco e alterações na posição dos ombros, o que até o momento parece não ter sido devidamente explorado nas pesquisas disponíveis na literatura. Neste caminho, o presente estudo dividiu-se em três trabalhos completos na tentativa de explorar o tema em questão, onde inicialmente, teve por finalidade promover uma revisão bibliográfica, com o objetivo de obter informações sobre o estado da arte dos aspectos técnicos, biomecânicos e neuromusculares apontados como responsáveis pelo desempenho de atletas durante a saída em provas de velocidade. Posteriormente, foi conduzido estudo experimental que é apresentado por meio de dois artigos originais, que tiveram por objetivo analisar parâmetros de cinemática 3D como centro de massa (CM) e espaço-temporais (ET), e o tempo de deslocamento (T) nos 10 m e 20 m, bem como a atividade eletromiográfica (EMG) dos músculos gastrocnêmio medial (GM), reto femoral (RF) e porção longa do bíceps femoral (BFPL), nas condições de saída de bloco curta (SC), média (SM) e longa (SL) para prova de 100 m rasos no atletismo, tendo por base a distância dos pedais à linha de saída e diferentes posições dos ombros. Para tanto, fizeram parte deste estudo quinze atletas (21,5 ± 4,7 anos) velocistas da modalidade de atletismo do sexo masculino que estavam em período pré-competitivo. Os mesmos foram submetidos inicialmente a mensurações antropométricas e de composição corporal e em seguida, a três condições experimentais de saída no bloco (SC, SM e SL), que foram repetidas por três vezes cada uma, com intervalo de 3 a 5 minutos, onde os parâmetros de cinemática, tempo de deslocamento e EMG foram coletados. Inicialmente, os achados apresentados na revisão da literatura demonstraram que o sucesso na execução de uma boa saída é dependente de muitos fatores e variáveis que contribuem para a geração de potência no momento da saída e passadas iniciais. Observou-se ainda, que as condições de saída, SC, SM e SL, têm sido estudadas experimentalmente, mas quase sempre tendo por base a distância interpedais, sendo que a maioria dos estudos encontrados apontaram para SM como sendo a de melhor eficácia. Os resultados do estudo de campo que envolveu os parâmetros cinemáticos, demonstraram que a SM se apresentou como o melhor tipo de saída. Quanto aos parâmetros EMG analisados, constatou-se que, independentemente do tipo de saída de bloco utilizado, a atividade dos músculos BFPL e RF foi maior que do músculo GM. Por outro lado, a SC e a SM apresentaram-se como as melhores opções de saída do bloco para prova de 100 m rasos, com resultados pouco favoráveis à SM.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000216033

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.