Distribuição da Intensidade do Treinamento de Jovens Jogadores de Futebol de Elite

Por: Adriano Titton, Alexandre Moreira, , Rafael Gustavo Silva Duarte Medrado e Thiago Oliveira Borges.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo descreveu a carga de treinamento e a distribuição de intensidade de 30 jogadores de futebol de elite com menos de 20 anos (17,9 ± 0,6 anos, 180,3 ± 5,7 cm, 73,7 ± 8,8 kg) de um tricampeão da Copa do Mundo de Clubes da FIFA. A avaliação da sessão do esforço percebido (s-RPE), carga interna de treinamento (ITL) e monotonia foram registradas em 40 sessões de treinamento. A modelagem de efeitos mistos foi usada para análise dos dados. Os atletas realizaram 33,0 ± 6,9 das 40 sessões de treinamento planejadas. Os motivos mais comuns para a ausência de treinamento incluíam doença ou ferimentos leves. No geral, essas sessões de treinamento totalizaram 2928,7 ± 627,6 minutos. Os atletas realizaram significativamente mais sessões de treinamento em zonas de baixa e moderada intensidade do que na zona de alta intensidade (p <0,0001). Os dados atuais indicam que jovens jogadores de futebol de elite realizam suas sessões de treinamento predominantemente na zona de baixa intensidade. O monitoramento do treinamento é um aspecto importante da evolução do processo de treinamento esportivo. De fato, evidências anteriores já mostraram que uma distribuição de intensidade apropriada impede a adaptação do treinamento esportivo e pode otimizar o desempenho atlético. Portanto, os treinadores devem implementar estratégias para monitorar as cargas de treinamento durante a pré-temporada e períodos competitivos.

Referências

Issurin V. Periodização de blocos versus teoria tradicional de treinamento: uma revisão. J Sports Med Phys Fitness 2008; 48 (1): 65-75.

Rowbottom DG. Periodização do treinamento. In: Garret WE, Kirkendall DT, editores. Ciência do Exercício e do Esporte. Filadélfia: Lippincott Williams e Wilkins; 2000. p. 499-514.

Turner A. A ciência e a prática da periodização: uma breve revisão. Strength Cond J 2011; 33 (1): 34-46.

Moreira A, Bilsborough JC, Sullivan CJ, Ciancosi M, Aoki MS, Coutts AJ. A periodização do treinamento de jogadores profissionais de futebol australiano durante uma temporada inteira da AFL. Int J Sports Physiol Perform 2015; 10 (5): 566-71.

Seiler S. Qual é a melhor prática para a intensidade do treinamento e a distribuição da duração em atletas de resistência? Int J Sports Physiol Perform 2010; 5 (3): 276-91.

Seiler S, Kjerland GO. Quantificando a distribuição da intensidade do treinamento em atletas de elite de resistência: Há evidências de uma distribuição ideal? Scand J Med Sci Sports 2006; 16 (1): 49-56.

Steinacker JM, Lormes W, Lehmann M, Altenburg D. Treinamento de remadores antes de campeonatos mundiais. Med Sci Sports Exerc 1998; 30 (7): 1158-63.

Fiskerstrand Å, Seiler S. Características de treinamento e desempenho entre remadores internacionais noruegueses 1970–2001. Scand J Med Sci Sports 2004; 14 (5): 303-10.

Seiler S. Qual é a melhor prática para a intensidade do treinamento e a distribuição da duração em atletas de resistência? Int J Sports Physiol Perform 2010; 5 (3): 276-91.

Esteve-Lanao J, Juan AF, Earnest CP, Foster C, Lucia A. Como os corredores de endurance realmente treinam? Relacionamento com o desempenho da concorrência. Med Sci Sports Exerc 2005; 37 (3): 496-504.

Algrøy EA, Hetlelid KJ, Seiler S, Pedersen JI. Quantificando a distribuição da intensidade de treinamento em um grupo de jogadores profissionais noruegueses de futebol. Int J Sports Physiol Perform 2011; 6 (1): 70-81.

Lovell TWJ, Sirotic AC, Impellizzeri FM, Coutts AJ. Fatores que afetam a percepção do esforço (classificação da sessão do esforço percebido) durante o treinamento da liga de rugby. Int J Sports Physiol Perform 2013; 8 (1): 270-6.

Freitas CG, Aoki MS, Franciscon CA, Arruda AFS, Carling C, Moreira A. Respostas psicofisiológicas às fases de sobrecarga e afilamento em jovens jogadores de futebol de elite. Pediatr Exerc Sci 2014; 26 (2): 195-202.

Mortatti AL, Moreira A, Aoki MS, Crewther BT, Castagna C, de Arruda AFS, et al. Efeito da competição nas infecções por cortisol salivar, imunoglobulina A e trato respiratório superior em jovens jogadores de futebol de elite. J Strength Cond Res 2012; 26 (5): 1396-401.

Foster C, Florhaug JA, Franklin J, Gottschall L, Hrovatin LA, Parker S, et al. Uma nova abordagem para monitorar o treinamento físico. J Strength Cond Res 2001; 15 (1): 109-15.

Impellizzeri FM, Rampini E, Coutts AJ, Sassi A, Marcora SM. Uso da carga de treinamento baseada em EPR no futebol. Med Sci Sports Exerc 2004; 36 (6): 1042-7.

O esforço percebido de Borg G. Borg e as escalas de dor. Champaign, IL: Publicações Human Kinetics; 1998.

Cooper HM, Hedges LV. O manual de síntese de pesquisa. Nova York: Fundação Russel Sage; 1994.

Castagna C, Impellizzeri FM, Chaouachi A, Bordon C, Manzi V. Efeito da distribuição da intensidade do treinamento nas variáveis ​​de aptidão aeróbica em jogadores de futebol de elite: um estudo de caso. J Strength Cond Res 2011; 25 (1): 66-71.

Coffey VG, Hawley JA. As bases moleculares da adaptação do treinamento. Sports Med 2007; 37 (9): 737-63.

Issurin VB. Novos horizontes para a metodologia e fisiologia da periodização do treinamento. Sports Med 2010; 40 (3): 189-206.

Coutts AJ, Reaburn P, Piva TJ, Rowsell GJ. Monitoramento de ultrapassagem em jogadores da liga de rugby. Eur J Appl Physiol 2007; 99 (3): 313-24.

Brink MS, Nederhof E, Visscher C, Schmikli SL, Lemmink KAPM. Monitorando a carga, a recuperação e o desempenho em jovens jogadores de futebol de elite. J Strength Cond Res 2010; 24 (3): 597-603.

Foster C. Monitoramento do treinamento em atletas com referência à síndrome de overtraining. Med Sci Sports Exerc 1998; 30 (7): 1164-8.

Suzuki S, Sato T, Maeda A, Takahashi Y. Projeto de programa baseado em um modelo matemático usando classificação de esforço percebido para um velocista japonês de elite: um estudo de caso. The J Strength Cond Res 2006; 20 (1): 36-42.

Suzuki S, Sato T, Takahashi Y. Diagnóstico do programa de treinamento de um remador japonês usando o índice de monotonia. Can J Appl Physiol 2003; 28: 105-6.

Stolen T, Chamari K, Castagna C, Wisloff U. Fisiologia do Futebol: Uma atualização. Sports Med 2005; 35 (6): 501-36

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e56955

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.