Do Corpo e do Activismo na Conjuntura de Mercado e Consumo

Por: .

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto - v.9 - n.3 - 2009

Send to Kindle


Resumo

Na actual configuração da sociedade as pessoas tornaram-se objectos de consumo e reféns da ansiedade. Esta situação é favorecida por uma globalização guiada pela teologia do merca-do, bem como pela tendência de intervencionismo e de policia-mento dos nossos comportamentos e passos. É sobre este plano de fundo que se instituem uma política e um negócio que exploram o capital da insegurança e do medo. Isso mesmo acontece no domínio das actividades corporais, tendo gerado um poderoso movimento ideológico e económico que instituem o activismo físico e um totalitarismo higienista e securitário como pedras basilares do estilo de vida urbano. No corpo consumido e consumidor é praticado um controlo sem precedentes e ficam bem à vista a crise da identidade, o mal-estar e as marcas de irracionalidade, de fanatismo, alienação e escravidão que povoam a conjuntura pós-moderna. A máxima do carpe diem,que rege o quotidiano, e o paradigma produtivista, que orienta e desvirtua a ciência, tornaram urgente a necessidade de almejar o equilíbrio e a sensatez, de reinventar a transcendência e de revalorizar o conhecimento de orientação.

Endereço: http://www.fade.up.pt/rpcd/_arquivo/artigos_soltos/vol.9_nr.2-3/2.2.pdf

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.