Editorial: Futebol e Sociedade

Por: Ana Flávia Braun Vieira e Miguel Archanjo de Freitas Júnior.

Publicatio UEPG - Ciências Sociais Aplicadas - v.25 - n.2 - 2007

Send to Kindle


Resumo

Historicamente o futebol teve uma trajetória marcada pela marginalidade científica e literária. Durante muito tempo ele foi visto como o ópio do povo, sendo considerado um elemento alienante presente na cultura de massa1 . Muitos intelectuais eram reticentes a ideia, ou possibilidade, de que existiam grupos que não atuavam como a teoria previu2 . Desta maneira, a forma de análise de tais grupos foi através da exclusão, pois estes indivíduos não expressavam a consciência de classe desejável (por essa teoria/teóricos) e, por isso, acabaram sendo academicamente desprezados. Como destacou Castoriadis (1982), é a Teoria, e não a experiência dos indivíduos e dos seus grupos, que define o que é classe social ou o que deve ser a sua consciência de classe. Em síntese, é possível afirmar que a irracionalidade atribuída às massas – como as que se reúnem em torno do futebol – foi resultado do excessivo apego dos intelectuais aos seus paradigmas, produzindo, com isso, o preconceito científico e político para com as manifestações populares. 

Endereço: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/sociais/issue/view/536/showToc

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.