Educação, Computadores e Deficiência Mental:imterações Possíveis.

Por: Vivina Dias Sól Quiroz.

274 páginas. 1997

Send to Kindle


Resumo

Este estudo procura analisar as interações que o portador de deficiência mental estabelece em um ambiente pedagógico informatizado, no caso ambiente LOGO, tendo como referencial teórico a Psicologia Sócio-Histórica que privilegia as situações de interação para o desenvolvimento pleno do sujeito. Para empreendermos essa análise, realizamos observações diretamente na escola, registrando os dados através de filmagens e de anotações em cadernos das sessões dos sujeitos no ambiente, acrescidos de entrevistas semi-estruturadas com as professoras da escola, pedagogos e psicólogos que atuam com a Educação Especial, com as mães dos alunos e com os dirigentes institucionais, de forma a enriquecer os dados coletados durante a pesquisa. Observou-se que o sujeito, ao interagir com o computador, manifestava atitudes que iam da indiferenciação à significação, evoluindo qualitativamente em suas ações, frente aos desafios impostos pela linguagem computacional. Observou-se também, que, na interação entre os sujeitos, a curiosidade, a cooperação e a imitação foram as atitudes mais evidentes no transcorrer das sessões. Por fim, observou-se que o trabalho pedagógico utilizando o computador pode ser benéfico ao portador de deficiência mental se a relação estabelecida entre aluno(a) e professor(a) ocorrer em um clima onde a mediação realizada tenha como meta o desenvolvimento das Funções Psicológicas Superiores, que lhe possibilitam adquirir conceitos e aprimorar qualitativamente seus aspectos afetivo e cognitivo.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1824&listaDetalhes%5B%5D=1824&processar=Processar

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.