Educação Física e Saúde Pública: a Inserção do Profissional de Educação Física em Um Núcleo de Apoio à Saúde da Família

Por: Jéssica Félix Nicácio Martinez.

291 páginas. 2014 21/03/2014

Send to Kindle


Resumo

Desde o final da década de 1980, verificamos um número crescente de produções acadêmicas, constituições de grupos de pesquisa e eventos que vêm tematizando, de forma crítica, a relação entre Educação Física e saúde, em especial, a partir das aproximações com o campo da Saúde Coletiva. No sentido de contribuir com esse debate, esta pesquisa teve como objetivos analisar as diretrizes, os marcos legais e a produção acadêmica que tratam da Educação Física na Saúde Pública e analisar as percepções dos gestores e das equipes multiprofissionais acerca das contribuições da Educação Física ao trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Goiânia/GO. Para tanto, buscamos fundamentar nossas análises e reflexões nas elaborações da medicina social latino-americana e na perspectiva de educação politécnica. A aproximação com o objeto de estudo ocorreu por meio de análise de documentos do Ministério da Saúde brasileiro e da produção acadêmica em Educação Física em suas relações com a Saúde Pública, localizadas no Banco de Teses da CAPES. Adotamos enfoques da pesquisa participante e, para a coleta de dados, utilizamos questionário, observação participante e entrevistas semi-estruturadas com 21 profissionais do NASF em Goiânia. Todo material coletado foi analisado segundo a técnica de Análise Temática e suporte do software Webqda. Os resultados apontam que a dimensão da gestão se destacou como um dos problemas centrais do NASF e sua proposta de trabalho centrada no apoio matricial provocou resistências em algumas equipes de estratégia de Saúde da Família. A maioria dos profissionais do NASF apresenta uma concepção eclética de interdisciplinaridade, embora a reflexão sobre a especialidade se anuncie como uma possibilidade a partir de outros referenciais. O campo da Educação Física, nesse contexto, se apresenta de forma inicial, com quantitativo insuficiente de profissionais e desigualdades salariais. Foram identificadas, todavia, contribuições com o trabalho com grupos, em projetos de território, na Academia da Saúde, assim como na superação das práticas de saúde centradas na dimensão assistencial, a partir da apropriação de conceitos de promoção da saúde e de território. Entretanto, essas contribuições se apresentam de forma limitada no atual momento histórico, pois o viés comportamental, biologicista e curativo ainda são hegemônicos nos processos de formação acadêmica e nas práticas profissionais. Concluímos que as condições precárias de trabalho do NASF em Goiânia e dos demais municípios expressam a fragilidade da proposta no fortalecimento dos princípios da Atenção Primária em Saúde e do seu papel de coordenação do cuidado na rede de serviços de saúde. Por fim, identificamos a necessidade dos profissionais de Educação Física de se inserirem de forma mais concreta na luta pela saúde pública no Brasil enquanto um direito social, reafirmando a utopia do projeto societário emancipador inscrito no movimento de reforma sanitária nacional.

Endereço: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/3552

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.