Educação Física e Saúde: a Questão da Normatização

Por: Luiz Alberto Batista.

I Congresso internacional de Educação Física de Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo é discutir a questão da promoção da saúde através da Educação Física, tendo como pontos para a reflexão a definição de corpo, renovação de força de trabalho e a normatização do "ter saúde". A prática da Educação Física tem estado mergulhada em um universo repleto de obscuridade e desconhecimento. Isto parece ser proposital, de forma que este campo do conhecimento, que lida com a intimidade do homem, se mantenha sob o controle daqueles que querem dirigir os destinos deste mesmo homem. Tal ação faz com que a energia produtiva de toda uma classe sirva ao propósito de pequenos grupos, mesmo que isto signifique o prejuízo de muitos. É importante perceber que a Educação Física tem sido usada para legitimar ações que têm como objetivo instruir "o ter saúde". A importância deste fato reside na relação direta entre saúde, renovação da força de trabalho e produção, principalmente em se tratando de um país onde sobrevive um "capitalismo selvagem". A discussão se faz com base na nossa apropriação de questões levantadas por Gramsci em torno do conceito de hegemonia, basicamente no que diz respeito as relações entre classes tendo em vista que "... o bloco dominante precisa subordinaras outras classes às exigências de processos produtivos não apenas baixando decretos mais mediante uma permanente transformação de valores e costumes morais da sociedade civil". (HALL e outros, 1983).
* Apoio financeiro - CAPES

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.