Efeito Agudo do Exercício Realizado em Diferentes Intensidades Sobre a Fome, Hormônios Relacionados Ao Apetite e Ingestão Alimentar em Homens e Mulheres

Por: Valéria Leme Gonçalves Panissa.

102 páginas. 2015 18/09/2015

Send to Kindle


Resumo


A manutenção da saúde, depende, dentre outros aspectos, do controle da massa corporal, uma vez que a obesidade está associada ao desenvolvimento de doenças crônicas. Sendo assim, o exercício pode ser considerado uma ferramenta eficaz nesse controle. Contudo, está evidenciado que o exercício realizado em alta intensidade pode ocasionar maior redução da gordura corporal. Dentre as hipóteses sugeridas para explicar tal fenômeno, a supressão do apetite pós-exercício foi levantada, no entanto, o efeito da intensidade sobre o apetite ainda é incipiente. Além disso, mulheres podem ter maior resposta compensatória que homens. Portanto, o objetivo do estudo foi comparar o efeito da intensidade no controle agudo do apetite, energia ingerida absoluta e relativa (energia ingerida menos o gasto calórico do exercício), percepção de fome e das concentrações sanguíneas de grelina acilada, peptídeo YY3-36, insulina, cortisol, glicose, ácidos graxos, colesterol e triacilglicerol em homens e mulheres. Para isso, 11 homens e 9 mulheres eutróficos, foram submetidos a 6 sessões, sendo a primeira destinada à determinação da potência aeróbia máxima (PAM) em cicloergômetro, e a segunda para realização do exercício intermitente de alta intensidade realizado na máxima intensidade (all out), composto por 60 x 8s:12s (EIAI-A), para determinação do trabalho total, o qual foi utilizado para equalização das demais sessões: a) EIAI-A; b) exercício intermitente de alta intensidade (EIAI) - 60s:60s a 100% da PAM; c) exercício contínuo de intensidade moderada (ECMI) a 60% da PAM; d) sessão controle (sem exercício). Cada visita teve duração de 4h, sendo que os participantes chegaram em jejum e receberam um café da manhã padrão. O exercício foi realizado 1,5h pós-café da manhã, e uma alimentação ad libitum foi servida 4h pós-café da manhã. Coletas de sangue e da percepção de fome (escala analógica visual) foram realizadas em jejum e em 2, 2,5, 3,25 e 4h de experimento e calculada a área sob a curva (ASC) para cada uma dessas variáveis. A comparação das variáveis sanguíneas e da percepção de fome foi feita através de análise de variância a três fatores (condição, sexo e momento), e das variáveis envolvendo a ASC e a energia ingerida foi conduzida através de análise a dois fatores (condição e sexo), seguida do pós-teste de Bonferroni se observada diferença significativa (P<0,05). Não houve diferença para a energia ingerida absoluta, porém, a energia ingerida relativa foi maior no controle quando comparada ao EIAI-A, EIAI, e ao ECMI, sem diferenças entre os tipos de exercício e sexos. A ASC da percepção de fome foi menor somente nos exercícios realizados em alta intensidade comparado com o controle, independentemente do sexo. O PYY3-36 foi inferior nas mulheres em relação aos homens ao passo que o cortisol foi inferior nos homens comparado com as mulheres. Houve interação entre situação e momento de coleta para o cortisol e insulina sendo os valores mais elevados no EIAI-A que no controle às 2,5 horas de experimento para o cortisol e às 3,25h para insulina. Portanto, embora não tenha havido diferença na energia ingerida relativa entre os tipos de exercícios, àqueles realizados em maior intensidade foram capazes de promover efeitos mais pronunciados na supressão do apetite, independentemente do sexo
 

Endereço: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39132/tde-17112015-150138/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.