Efeito Agudo do Palmar e do Parachute no Nado Crawl em Máxima Intensidade

Por: Thiago Telles.

III Congresso de Ciência do Desporto

Send to Kindle


Introdução: O trabalho de força especial e potência tem sido apontado como determinantes do resultado na natação, sendo assim a utilização de implementos durante os treinos para atingir tal objetivo é usual, dentre estes podemos citar o palmar e o parachute. Entretanto, pouco se sabe sobre seus efeitos na coordenação do nado crawl.

Objetivo: O objetivo deste estudo foi verificar os efeitos da sobrecarga específica na coordenação do nado crawl. Metodologia: Onze nadadores competitivos em nível estadual foram avaliados durante 15 metros em máxima intensidade em 4 situações, a saber: livre de equipamentos, com palmar de 399 cm² de área, com parachutes de 900 cm² de área e com ambos. Todas as situações foram filmadas por 02 câmeras (60 hz) subaquáticas posicionadas frontal e lateralmente ao nadador, esta última sobre um carrinho que se deslocava paralelamente ao nadador. As imagens foram analisadas quadro a quadro para determinação da velocidade média, freqüência e comprimento de braçadas, índice de coordenação e duração percentual das fases das braçadas. A análise da variância (Anova One Way) seguido pelo Post-Hoc de Bonferroni foram utilizados como testes estatísticos.

Resultados:O índice de coordenação apresentou números diferentes para cada uma das 4 situações: nado livre de implementos (-1,54), palmar (- 0,25), parachute (+0,22) e ambos (+1,78) não houve diferenças significantes em nenhuma das situações em relação ao nado livre de implementos; as demais variaveis estão dispostas na tabela Tabela 1 (Média e Desvio Padrão dos parâmetros coordenativos da braçada)

  • S1 S2 S3 S4 VM (m/s) 1.82 ± 0.10 1.86 ± 0.09 1.23 ± 0.11 a,b 1.28 ± 0.12 a,b
  • FB (ciclos/min) 58.92 ± 4.17 53.70 ± 5.89 a 54.26 ± 3.82 a 48.01 ± 5.42 a,b,c
  • CB (m/ciclo) 1.86 ± 0.15 2.10 ± 0.22 a 1.37 ± 0.08 a,b 1.60 ± 0.12 a,b,c
  • Fase A (%) 14.75 ± 4.13 13.49 ± 3.65 13.49 ± 3.60 14.02 ± 4.76
  • Fase B (%) 27.69 ± 2.69 28.94 ± 2.06 28.64 ± 3.15 29.09 ± 1.94
  • Fase C (%) 27.45 ± 3.19 26.58 ± 3.25 28.76 ± 3.25 27.26 ± 3.42
  • Fase D (%) 29.54 ± 2.37 31.14 ± 2.41 28.56 ± 4.13 29.44 ± 4.26
  • a p<0.05 em relação à S1, b p<0.05 em relação à S2, c p<0.05 em relação à S3

Conclusão: Através dos resultados pode-se notar que coordenativamente, tanto para as fases, quanto para o índice de coordenação, os implementos não infuenciam o nado em máxima intensidade. Assim, pode-se concluir que o palmar e o parachute não prejudicam a coordenação dos nadadores em máxima intensidade quando analisada através do índice de coordenação, entretanto deve-se atentar para as mudanaças na elocidade, frequencia e comprimento da braçada, para que estas variáveis não prejudiquem o treinamento por distanciarem-se dos padrões específicos do nado em máxima intesidade sem implementos.

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.