Efeito da IL-6 Hipotalâmica Sobre a Ativação da Oxidação de ácidos Graxos no Músculo Esquelético de Camundongos: o Papel do Exercício Físico

Por: C. Diégues, C. K. Katashima, E. R. Ropelle, G. D. Pimentel, L. Lenhare, M. A. Saad, P. C. Brum, P. O. Prada, R. Curi, T. O. Micheletti e V. R. R. Silva.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

O hipotálamo é uma estrutura do sistema nervoso central responsável por controlar diversas funções do organismo. Estudos recentes apontam para uma intrigante relação entre o hipotálamo e o metabolismo do músculo esquelético. Designadamente, a via de sinalização da ERK1/2 no hipotálamo parece exercer papel importante no metabolismo do músculo, em especial sobre a OAG. Adicionalmente, evidências demonstram que o exercício físico é capaz de produzir Interleucina-6 (IL-6) central e pode modular a via de sinalização da ERK1/2 em diversos tecidos, incluindo o tecido hipotalâmico. Desta forma, a IL-6 vem sendo valorizada como uma molécula chave nessa estreita relação entre o músculo e o hipotálamo. Objetivo: Avaliar a ação da IL-6 no hipotálamo na oxidação de ácidos graxos através da via de sinalização AMPK/ACC no músculo esquelético de camundongos exercitados. Métodos: Western blot foi usado para respostas proteicas frente à tratamentos de interesse em camundongos C57BL/6J machos magros, knockout para produção de IL6 (KO IL6), duplo knockout da via α2AC adrenérgica (KO α2AC). Injeção intracerebroventricular (ICV) de peptídeo IL6(IL6), anticorpo IL6(AC IL6),inibidor da ERK1/2(PD98059) e da via α2adrenérgica (Ioimbina), foram usados para avaliar seus efeito na OAG.Exercício realizado foi 2 horas de natação com descanso de 5 minutos a cada 30 minutos de exercício. Realizada quantificação de OAG na USP. Resultados foram analisados por ANOVA one-way e Bonferroni. Resultados: Observamos que após 3 horas de uma única infusão de IL6 ICV foi capaz de ativar a via da AMPK/ACC bem como a OAG no músculo esquelético, adicionalmente sugere-se que este efeito seja através da ativação da via hipotalâmica da ERK 1/2 uma vez que o uso de PD98059 aboliu o efeito no músculo esquelético. Como é sabido o exercício físico é capaz de aumentar fisiologicamente a concentração de IL6 no hipotálamo, animais foram submetidos a uma sessão de natação e percebemos que após 3 horas do exercício os animais apresentaram ativação da OAG no músculo esquelético, e acredita-se que este efeito pode ser decorrente da ação da IL6 central uma vez que tanto animais exercitados e tratados ICV com o AC IL6 quanto os animais KO IL6 submetidos ao exercício, não demonstraram ativação da OAG muscular. No entanto ativação da via AMPK/ACC muscular foi restaurada nos KO IL6 quando tratados com IL6 ICV. Para compreender a comunicação entre o SNC e músculo esquelético para que ocorra ativação da via AMPK/ACC através da ação central da IL6, após infusão de IL6 ICV animais foram também tratados com Ioimbina. Percebeu-se que nestes animais não houve ativação da OAG no músculo o mesmo foi visto quando animais KO α2AC foram tratados com IL6 ICV. Conclusão: A IL6 hipotalâmica é capaz de modular oxidação de ácidos graxos no músculo via α2AC adrenérgica e através da ativação da via hipotalâmica ERK1/2.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.