Efeito da Suplementação de Beta-hidroxi-beta-metilbutirato (hmb) na Regeneração Muscular Após Criolesão Associada a Diferentes Modalidades Terapêuticas

Por: Luana Gomes de Oliveira.

63 páginas. 2016 24/02/2016

Send to Kindle


Resumo

O β-hidroxi-β-metilbutirato (HMB) é um metabólito derivado do aminoácido leucina (aminoácido essencial de cadeia ramificada) que tem demonstrado propriedades anabólicas, anti-catabólicas, anti-inflamatórias e miogênicas. O tecido músculo esquelético é caracterizado por notável plasticidade e, mesmo após lesão, possui extraordinária capacidade regenerativa e a incidência de lesões na prática clínica tem suscitado o aumento de estudos que observem o processo de regeneração muscular. Outras terapias também têm sido utilizadas na reabilitação de disfunções musculoesqueléticas, como a natação, pois promove o reparo tecidual devido ao aumento da circulação periférica, entre outros benefícios, e, a terapia por laser de baixa intensidade (Low-Level Laser Therapy – LLLT), que tem demonstrado efeitos positivos sobre o reparo muscular, em diferentes intensidades de energia aplicadas. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da suplementação de HMB associada ou não ao exercício físico de natação e à LLLT na capacidade regenerativa do músculo esquelético de ratas. Foram estudadas 44 ratas da linhagem Wistar divididas em 10 grupos: Controle (CT), não submetido à lesão muscular; Sedentário (S), submetido à lesão muscular e mantido no biotério; Laser (La), submetido à lesão muscular e à LLLT 3 vezes por semana; Natação (N), submetido à lesão muscular e ao exercício de natação 3 vezes por semana; Natação+Laser (NLa), submetido à lesão muscular e à natação associada à LLLT 3 vezes por semana; e todos estes grupos repetidos, com o acréscimo da suplementação de HMB (CTH, SH, LaH, NH e NLaH). A análise da recuperação muscular foi realizada pela Microscopia de Luz. Para análise estatística foram utilizados os testes ANOVA-F para dados paramétricos e o teste Kruskal-Wallis para dados não paramétricos, sendo considerado um valor de p < 0,05 significativo. O peso corporal médio dos animais, bem como o peso isolado do músculo tibial anterior não obtiveram diferenças significativas entre os grupos. O mesmo aconteceu com as medidas de AST, MyoD e Miogenina. Foi observado que a suplementação com HMB favoreceu o aumento significativo (p<0,05) de tecido conjuntivo nos grupos que receberam as intervenções isoladas ou associada (LaH, NH, NLaH), comparados ao controle (CTH), bem como aumentou as concentrações da citocina TGF-1 nos grupos LaH e NLaH comparados ao CTH. A suplementação com HMB também reduziu a área de inflamação no grupo NH quando comparado ao N, e os conteúdos da citocina TNF-α nos grupos CTH, LaH e NH quando comparados ao SH. Conclui-se que a suplementação com HMB por 21 dias não foi suficiente para estimular a hipertrofia no grupo controle ou acelerar a recuperação da AST após a lesão, e, ainda aumentou a quantidade de tecido conjuntivo no local da lesão, sugerindo que o HMB não favoreceu a regeneração muscular. Destaca-se ainda que as terapias isoladas foram mais eficazes na redução do conteúdo de TNF-α, quando associadas à suplementação com HMB.

Endereço: https://www.unimep.br/phpg/bibdig/aluno/visualiza.php?cod=1534

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.