Efeito de Comportamentos de Risco Para os Transtornos Alimentares no Desempenho nos 50, 100, 200 e 400 M Livre em Jovens Nadadores

Por: Hugo Augusto Alvares da Silva Lira, Leonardo de Sousa Fortes, Lilyan Carla Vaz Mendonça, Pedro Pinheiro Paes e Raphaella Christinne Ribeiro de Lima.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.2 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi comparar o desempenho (melhor tempo em segundos) nas provas dos 50, 100, 200 e 400m livre de nadadores em razão dos comportamentos de risco para os transtornos alimentares (TA). Participaram 188 atletas de natação do sexo masculino. Utilizou-se o Eating Attitudes Test (EAT-26) para avaliar os comportamentos de risco para TA. Utilizou-se o melhor tempo em segundos para determinar o desempenho nas provas de 50, 100, 200 e 400m livre. Conduziu-se a análise multivariada de covariância para comparar o desempenho nas provas de 50, 100, 200 e 400m livre entre nadadoras com e sem risco para os TA. Os resultados apontaram que: a) não foi identificada diferença de desempenho na prova dos 50m livre (F(2, 186)=3,40; p=0,18); b) foi encontrada diferença de desempenho nas provas dos 100m livre (F(2, 186)=16,05; p=0,02), 200m livre (F(2, 186)=19,61; p=0,01) e 400m livre (F(2, 186)=23,72; p=0,001) entre os grupos com e sem risco para os TA. Concluiu-se que os nadadores com maior frequência de uso de comportamentos de risco para os TA demonstraram menor desempenho nas provas dos 100, 200 e 400m livre, fato não replicado para os 50m livre.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/6788

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.