Efeito de Diferentes Protocolos de Treinamento Sobre o Risco Cardiovascular Global

Por: Arthur Fernandes Gápari.

2013 12/04/2013

Send to Kindle


Resumo

Diferentes trabalhos experimentais e dados epidemiológicos têm comprovado que a prática sistematizada de atividade física regular contribui como fator de prevenção para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (DCV). O presente trabalho compara o efeito de treinamento: Aeróbio (TA), com Pesos (TP) e Concorrente (TC), utilizando cargas de treino equivalentes, sobre o risco global para DCVs medido por diferentes escalas multifatoriais. Os participantes foram 49 voluntários não ativos, distribuídos em Grupo Controle (GC, n=12, idade=48,7±5,6 anos), grupo TA (n=13, idade=47,8±4,9 anos), grupo TP (n=12, idade=48,8±5,1 anos) e grupo TC (n=12, idade=49,5±4,7 anos). Os voluntários foram avaliados pré e pósintervenção para verificação de Colesterol Total (CT), HDL-Colesterol (HDL), LDL-Colesterol (LDL), Triglicerídeos (Tg) e Pressão Arterial em repouso. Esses dados foram utilizados para quantificação do risco cardiovascular global através das escalas (algoritmo): Risco Geral de Doenças Cardiovasculares Risco de Doenças Coronarianas em 10 anos (LDL), Risco da Primeira Doença Coronariana em dois anos, Risco de Desenvolvimento de Doenças Coronarianas Graves ou Escore de Risco de Framingham. Também foram avaliados a Força Muscular de membros superiores (supino reto) e inferiores (leg press) através do teste de 1- Repetição Máxima e o Consumo Pico de Oxigênio (VO2pico) por meio de ergoespirometria em esteira rolante. Os treinamentos tiveram duração de 60 minutos, 3 sessões semanais, por um período de 16 semanas, divididas em duas etapas iguais com uma semana de intervalo para o teste utilizado no ajuste das intensidades do TA. O TA foi composto por caminhadas e corridas divididas em zonas de treinamento baseadas na velocidade do Limiar Ventilatório e Ponto de Compensação Respiratória, de modo que, as intensidades variaram entre 50-85% do VO2pico. O TP foi realizado com 10 exercícios em equipamentos específicos, com 3 séries de 10 repetições máximas e 1min de intervalo na primeira etapa e, os mesmos exercícios com 3 séries de 8 repetições máximas e 1min30s de pausa na segunda etapa. O TC foi composto por aproximadamente 50% de cada treinamento sendo TP seguido de TA. Foram observadas reduções significantes (p<0,05) para TP e TC em todas as escalas de risco aplicadas, assim como para o CT e LDL. Além disso, as concentrações de Tg reduziram (p<0,05) no TC. Foram identificados aumentos pós-treinamento (p<0,05): VO2pico para o TA e TC, força de membros superiores para TP e TC e força de membros inferiores (p<0,05) para TA, TP e TC. Esses resultados corroboram com estudos em jovens e mostram a eficácia do CT no aumento da força corporal e VO2pico, melhora de fatores de risco para DCV e principalmente redução do risco global de DCV através de todas as escalas analisadas em homens de meia-idade. Contudo, esse estudo acrescenta evidências científicas sobre o TC como um ótimo protocolo para promoção tanto do aumento de variáveis funcionais quanto para redução do risco cardiovascular global, mesmo quando realizado com volume reduzido quando comparado aos protocolos isolados. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000907081&opt=1

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.