Efeito do Volume de Treinamento Contrarresistência (musculação) Sobre a Composição Corporal, Desempenho Físico e Parâmetro Bioquímico, Hormonal e Inflamatório em Mulheres na Pós-menopausa Pré-sarcopênicas

Por: Paulo Ricardo Prado Nunes.

53 páginas. 2014 19/02/2014

Send to Kindle


Resumo

A sarcopenia e a menopausa contribuem para alterações negativas na composição corporal (CCp), desempenho físico (DF) e parâmetro bioquímico (BQ), hormonal (HM), inflamatório (INF) e metabólico (MET) reduzindo a qualidade de vida e aumentando o risco de mortalidade das mulheres. Em contrapartida, o treinamento contrarresistência (TR) é uma intervenção promissora para melhora desses aspectos. No entanto, a dosagem de exercício necessária para otimizar a melhora desses aspectos não tem sido totalmente elucidada em mulheres na pós-menopausa (PM). Portanto o objetivo do estudo foi avaliar o efeito do volume de TR sobre os parâmetros de CCp, DF, HM, MET, INF e BQ em mulheres na PM e pré-sarcopênicas. Finalizaram o estudo 34 mulheres na PM e pré-sarcopênicas distribuídas aleatoriamente em três grupos: controle (CT = sem exercício, n=12), baixo volume (BV = TR com três séries para cada exercício, n=10) e alto volume (AV= seis séries para cada exercício, n=12). As mulheres alocadas nos grupos BV e AV realizaram o TR três vezes por semana, oito exercícios a 70 % da força máxima para todo o corpo por 16 semanas. Avaliações da CCp, DF, HM, MET, INF e BQ foram realizadas no início e no final do estudo, com exceção do CCp e DF que foram avaliadas também na 8a semana. Houve aumento da força muscular para ambos os grupos treinados e momentos avaliados. Para o teste de uma milha, houve redução do tempo de teste na 8a semana somente para o grupo AV, mas não para 16a semana. Após oito semanas de intervenção, somente o grupo BV aumentou a massa corporal magra (MCM). Porém, após 16 semanas, ambos os grupos treinados aumentaram a MCM sem diferença entre eles. A massa corporal gorda (MCG), circunferência da cintura (CC) e razão circunferência da cintura e quadril (RCQ) reduziram somente no grupo AV após 16 semanas. Houve redução da glicose e hemoglobina glicada (HbA1c) no grupo BV comparado ao grupo AV. Para a testosterona total e razão testosterona cortisol (T:C) houve redução no grupo AV comparado ao grupo CT e BV, respectivamente. Os achados sugerem que o TR foi eficiente para melhorar a força muscular e MCM independente do volume. O maior volume foi eficiente para melhorar a MCG, CC, RCQ e tempo no teste de caminhada sem benefícios para a glicose, HbA1c, mas exerceu efeito negativo na testosterona total e T:C, indicando precaução no seu uso.

Endereço: http://www.uftm.edu.br/paginas/curso/cod/1428/area/PROGRAMA+DE+POS-GRADUACAO+EM+EDUCACAO+FISICA/t/DISSERTACOES+DEFENDIDAS

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.