Efeitos da Aclimatação Ao Frio Sobre Respostas Fisiológicas de Mulheres Jovens Ocorridas Durante o Estresse Hiportérmico em Meio Aéreo.

Por: Alexandre Paolucci.

85 páginas. 1999

Send to Kindle


Resumo

O principal objetivo deste estudo foi investigar respostas de adaptação de mulheres adultas ao stress por frio. Os dois grupos de seis mulheres cada foram igualados pela média do % de gordura, (e elas eram também similares em peso e estatura). Os indivíduos aclimatados foram expostos ao frio 10 vezes durante duas semanas. Os indivíduos de controle foram expostos apenas três vezes, e as três exposições tendo pelo menos cinco dias de intrevalo (pré, intermediária (50 dia) e pós-teste). A temperatura na câmara climática era 100 C, e a exposição durou trinta minutos. As temperaturas do interior do corpo (retal) e da superficie (pele), consumo de oxigênio e início de tremor foram avaliados durante todo o experimento. As comparações quanto às medidas da Freqüência Cardíaca, Taxa Metabólica, Temperatura Média do Corpo, Temperatura Retal, r, Consumo de Oxigênio, Temperatura média da Pele entre os grupos Tratado e Controle, tempo do tratamento (Repouso, 15 mino e 30 min.), o dia do tratamento (pré, 50 dia e Pós) e também a comparação entre os grupos Tratado e Controle, com relação às medidas do tempo para o início do tremor (min.) no Pré-tratamento, no 50 dia e no Pós-tratamento foram realizadas utilizando-se o teste de Kruskal- Wallis. Este teste tem como objetivo comparar amostras independentes em relação a uma medida, ou seja, os resultados obtidos num grupo não interferem no resultado do outro. Além disso, trata-se de um teste não paramétrico. Aclimatação a ambiente de 100 C reduziu o tremor e respostas metabólicas durante teste padrão em frio por meia hora, como hipótese (ou colocado como hipótese). Os resultados também indicam que o limiar do tremor dos indivíduos mudaram para mais baixas temperaturas do corpo desde que respostas em forma de tremor não estavam presentes após uma hora de exposição em quatro dos indivíduos aclimatados. Há um pequeno (embora não significativo estatísticamente) aumento na insulação do tecido nos indivíduos aclimatados, enquanto perda de calor foi significamente reduzida após aclimatação. O decréscimo na perda de calor durante a exposição ao mo após aclimatação pode ser devido ao aumento de insulação do tecido, para um improvável mecanismo de permuta de calor (contra-corrente), ou para uma reduzida perda de calor na ausência de tremor. Ficou evidente que havia um progresso na habilidade do corpo para conservar calor com

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=578&listaDetalhes%5B%5D=578&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.