Efeitos Agudos de Diferentes Protocolos de Treinamento Resistido na Modulação Autonômica Cardíaca de Mulheres Hipertensas

Por: Arthur Ferreira do Vale.

66 páginas. 2018 13/03/2018

Send to Kindle


Resumo

Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares. A prática do treinamento resistido (TR) de alta intensidade pode ser uma alternativa para o controle da HAS. No entanto é necessário definir qual protocolo de TR é mais adequado para pacientes com HAS: utilizar protocolos com maiores cargas e menos repetições ou com menores cargas e maior número de repetições. Indivíduos que apresentam HAS possuem um desequilíbrio no sistema nervoso autônomo (SNA) e é possível que o TR possa acentuar tais alterações. Entre as técnicas utilizadas para avaliação do SNA, a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) surge como uma medida simples e não invasiva de avaliação de risco cardiovascular. Objetivo: Analisar e comparar os efeitos agudos de diferentes protocolos de treinamento resistido em parâmetros hemodinâmicos e na modulação autonômica cardíaca de mulheres hipertensas. Metodologia: Ensaio clínico randomizado do tipo cruzado realizado com 15 mulheres de meia idade no período pós-menopausa (45 a 69 anos) e hipertensas controladas que foram submetidas a dois diferentes protocolos de treinamento resistido (6 repetições máximas e 15 repetições máximas). A VFC foi coletada através dos intervalos entre os batimentos cardíacos consecutivos (intervalo R-R) na posição supina antes de cada protocolo, imediatamente após, 1 hora após e 24 horas após cada protocolo. A ANOVA de medidas repetidas foi utilizada para avaliar as alterações da variabilidade da frequência cardíaca nos diferentes tempos e protocolos utilizados, o valor de p≤ 0,05 foi considerado significante. Resultados: A diferença entre os índices que compõem a VFC (baixa frequência, alta frequência e razão) não foram significativas entre a sessão controle e a sessão de 6 repetições máximas (p≥0,05), no entanto os valores da baixa frequência foram superiores e da alta frequência inferiores para a sessão de 15 repetições máximas quando compararadas a sessão controle (p≤0,05). Conclusão: Na comparação entre os dois protocolos o de maior volume promoveu maior estresse cardiovascular enquanto o de menor volume não mostrou diferenças significativas quando comparado à sessão controle.

Endereço: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFG_775654df12039cce9f5ca82a14e6548b

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.