Efeitos da Atividade Física e da Terapia com Ultra-som Sobre o Reparo da Osteotomia Experimental em Ratos

Por: Marcelo Renato Guerino.

81 páginas. 1996

Send to Kindle


Resumo

O processo biológico de reparo de uma interrupção traumática ou induzida cirurgicamente na continuidade de um oso pode desenvolver-se lentamente e depende do estado endócrino-reprodutivo, vitamina D, cálcio e fósforo nutricionais, e suprimento sangüíneo adequado para manutenção do metabolismo do organismo e local da fratura. O ultra-som tem sido amplamente utilizado com a finalidade de acelerar os processos de reparo, modificar a produção de tecido cicatricial e reduzir a dor. Por outro lado, a atividade física realizada regularmente induz alterações locais e gerais que influenciam a osteogênese e a mineralização dos ossos. Assim, o principal objetivo deste trabalho foi analisar os efeitos do tratamento da osteotomia experimental com ultra-som e exercício físico crônico sobre a velocidade de consolidação óssea e a resitência a esforços deformantes. Para isso realizamos uma osteotomia no terço superior da tíbia direita, através de uma micro-furadeira para uniformizar a lesão. O treinamento físico consistiu em natação 1h por dia com carga de 5% do peso corporal e a terapia com ultra-som de média intensidade foi feita diariamente durante cinco minutos, utilizando um adaptador para redução da área de aplicação. Foram utilizados ratos machos adultos jovens Wistar, distribuídos nos grupos: osteotomizado sedentário sem ultra-som (1.OSsUS); osteotomizado treinado sem ultra-som (2.OTsUS); osteotomizado sedentário com ultra-som (3.OScUS) e osteotomizado treinado com ultra-som (4.OTcUS). Após o período de tratamento, os ratos foram sacrificados e realizaram-se as seguintes análises: glicogênio do músculo gastrocnêmico, atividade da fosfatase alcalina no soro, radiografias da tíbia, histologia da área de lesão aos 5, 10, 20 e 30 dias, teste de resistência máxima a flexão (20 mmm/min.), flexa de ruptura e rigidez média das tíbias aos 30 e 45 dias. Nosso trabalho mostrou que o ultra-som melhora as fases iniciais do processo de reparo do tecido ósseo e a atividade física os estágios mais adiantados da consolidação óssea. Estes fatos sugerem que o ultra-som, bem como a atividade física, ou a associação de ambos podem acelerar o processo de reparo do tecido ósseo.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1664&listaDetalhes%5B%5D=1664&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.