Efeitos da Caminhada Prolongada Sobre a Cinemática da Locomoção de Idosos Ativos e Sedentários em Escadas

Por: Marcos Roberto Kunzler.

72 páginas. 2015 20/01/2015

Send to Kindle


Resumo

O envelhecimento altera diversas características relacionadas com a mobilidade em idosos. Tais alterações tornam situações cotidianas, como subir escadas, mais desafiadoras para idosos. O exercício físico regular é uma das estratégias para obter benefícios para manutenção de diversas funções corporais nos idosos, incluindo a capacidade de lidar com essas tarefas cotidianas. No entanto, poucos cientistas têm considerado os efeitos agudos do exercício físico. Longe de sugerir que o exercício possa ser perigoso ao idoso, o cuidado com os efeitos agudos de uma sessão de exercício é importante pois estes podem alterar momentaneamente a tarefa de andar, e aumentar risco de tropeços e quedas. Adicionalmente, os efeitos agudos da caminhada são pertinentes por este ser um dos principais tipos de exercícios que os idosos praticam. Neste trabalho, analisamos a cinemática da locomoção em idosos ativos e sedentários durante a subida em escadas, antes e depois de uma sessão de caminhada prolongada. Participaram do estudo idosos de ambos os sexos, ativos (n=15) e sedentários (n=15) com 60 anos ou mais. Eles foram avaliados quanto à preferência lateral e cinemática da marcha durante a locomoção em uma escada com três degraus, antes e depois de uma caminhada em esteira por 30 minutos, em velocidade confortável. Nossos principais resultados sugerem que a caminhada prolongada aumenta o risco de tropeço na subida de uma escada por idosos sedentários. Tal afirmação é fundamentada pela diminuição na elevação do segundo pé que transpõe os degraus e pela menor velocidade na marcha dos idosos sedentários comparados aos idosos ativos. Nossos resultados sugerem que efeitos agudos do exercício são mais substanciais em idosos sedentários e por isso estratégias para lidar com esses déficits agudos podem ser importantes quando idosos iniciam rotinas de exercício físico. Apesar do maior risco de tropeço em idosos sedentários, os padrões de marcha em escadas foram similares nos dois grupos de idosos. Investigações futuras devem procurar saber se alguma estratégia pré-exercício pode auxiliar na minimização destes déficits agudos.

Endereço: http://cascavel.ufsm.br/tede/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.