Efeitos das Práticas de Ginástica Recreativa, Laboral e Relaxamento Sobre os Fatores de Risco Cardiovasculares, Estresse e Qualidade de Vida em Servidores

Por: Ana Claudia Vecchi Osiecki.

145 páginas. 2013 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi verificar os efeitos de três diferentes tipos de intervenção em ambiente ocupacional sobre o perfil clínico, antropométrico, características bioquímicas, aptidão física, estresse, sono e qualidade de vida em servidores de uma Universidade Federal. Participaram 88 trabalhadores com idade entre 18 e 70 anos (média idade 43.9±10.9). Inicialmente os participantes realizaram avaliação antropométrica (massa corporal, estatura, circunferência abdominal e cintura, pressão arterial, dobras cutâneas e composição corporal); avaliação sanguínea (insulina, glicemia, colesterol total, HDL, LDL e triglicerídeos); amostragem do cabelo (cortisol capilar); coleta de saliva (cortisol salivar); valências motoras (flexibilidade, força manual direita/esquerda e dinamometria dorsal) e por fim foram aplicados questionários (QVS 80, Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh, Escala de Sonolência de Epworth, Escala de Percepção do Stress (EPS 10), Diagrama de Corlett de dor/desconforto). Os trabalhadores foram divididos em quatro grupos de forma aleatória, conforme as atividades realizadas em: Grupo 1 - Ginástica Laboral (n=20); Grupo 2 - Ginástica Recreativa (n=19); Grupo 3 - Relaxamento (n=21) e Grupo 4 - Grupo Controle (n=28), o qual não realizou atividade física. A intervenção consistiu em três meses de atividades físicas realizadas no início da manhã (ginástica preparatória); as sessões foram oferecidas cinco vezes por semana com duração de 15 minutos, totalizando 60 sessões específicas para cada grupo. Todos os indivíduos foram reavaliados ao final de 12 semanas com o mesmo protocolo inicial. A análise estatística envolveu teste de normalidade Kolmogorov-Smirnov, teste t pareado, análise de variância (ANOVA) one way, Manova de medidas repetidas 4X2 e teste “post hoc” de Bonferroni. Foi considerado como significativo o p<0.05. Na fase inicial, os grupos foram semelhantes quanto à idade, medidas antropométricas, metabólicas e nível de estresse. Após o período de intervenção, não houve mudanças no peso corporal e IMC nos quatro grupos, entretanto a gordura absoluta aumentou somente no grupo controle (p<0,05). O grupo Relaxamento teve redução no percentual de gordura corporal quando comparado ao Grupo Controle (p<0,05). O grupo Ginástica Recreativa reduziu os valores na circunferência da cintura (p<0,05), mas não houve diferenças entre os grupos. A PAS e PAD dos participantes do Grupo de Ginástica Laboral e Ginástica Recreativa se mantiveram inalteradas. No Grupo Relaxamento houve diminuição da PAS, enquanto o Grupo Controle apresentou aumento na PAS (p<0,05). Em relação aos parâmetros sanguíneos, o Grupo Relaxamento aumentou a concentração de insulina (p<0,05), enquanto que os grupos Ginástica Recreativa e Ginástica Laboral reduziram o Colesterol–LDL (p<0,05). Os três grupos de intervenção mantiveram concentrações inalteradas de HDL, no entanto o Grupo Controle diminuiu o Colesterol-HDL (p<0,05). Quanto às valências físicas apenas o grupo Ginástica Laboral aumentou a flexibilidade (p<0,05), os demais resultados não foram significativos. Em relação à percepção do estresse, somente houve redução no Grupo Recreativo (p<0,05). As concentrações de cortisol capilar não apresentaram modificações nos quatro grupos. Nos grupos de intervenção, o cortisol salivar apresentou aumento da concentração no Grupo Recreação e redução nos praticantes de Ginástica Laboral e Relaxamento (p<0,05). O Grupo Controle apresentou aumento no cortisol salivar (p<0,05). Nos parâmetros do sono e sonolência diurna não houve efeitos significativos das intervenções. Nos parâmetros de dor, o grupo Ginástica Laboral teve redução na intensidade e na média de dor, enquanto que os grupos Ginástica Recreativa e Relaxamento reduziram somente a intensidade da dor (p<0,05). O Grupo Controle apresentou aumento da intensidade da dor em comparação a Ginástica Laboral e ao Relaxamento (p<0,05). Nos resultados de qualidade de vida os escores do domínio 4 (Percepção de Qualidade de Vida) reduziram no Grupo Relaxamento (p<0,05), os demais grupos permaneceram com escores inalterados. Conclusão: A Ginástica Laboral proporcionou redução do LDL, cortisol salivar, intensidade e média da dor e proporcionou aumento da flexibilidade. A Ginástica Recreativa reduziu o LDL, circunferência da cintura, estresse percebido e intensidade dolorosa. O Relaxamento propiciou a diminuição da PAS, % gordura, LDL, glicose, cortisol salivar e intensidade da dor. O Grupo Controle apresentou piora nos parâmetros antropométricos, laboratoriais, percepção dolorosa e na concentração do cortisol salivar. Dessa forma, percebe-se a importância da implantação de programas envolvendo atividade física para trabalhadores, com o objetivo de manutenção e melhora da saúde.

Endereço: http://www.pgedf.ufpr.br/Teses.html

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.