Efeitos de Campo Operacional de Instrução Sobre Aptidão Física, Dano Muscular e Controle Autonômico de Alunos do Npor do Exército Brasileiro

Por: , Léo Dutra Cabistany, Marcelo Vaz e Victor Silveira Coswig.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.86 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O Campo Operacional de Instrução (COI) demanda elevado esforço físico e mental.

Objetivo: Avaliar os efeitos das atividades de treinamento militar sobre indicadores de dano muscular periférico, de controle autonômico e de aptidão física em alunos do Núcleo de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR) de Pelotas.

Métodos: Este estudo longitudinal, avaliou 18 alunos do curso de formação do NPOR, antes e após uma semana de atividade em COI com exercícios físicos intensos. Mensuraram-se a concentração sanguínea de creatina quinase [CK], os indicadores da variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e o desempenho dos participantes em testes de aptidão física. O teste de Shapiro-Wilk foi utilizado para avaliar a normalidade dos dados e os momentos foram comparados com teste t de Student para amostras dependentes e as correlações testadas com a prova de Pearson. O nível de confiança das análises foi de 95%.

Resultados: A potência de membros superiores e inferiores diminuiu (p<0,05) e o desempenho em força isométrica máxima de preensão da mão esquerda (p=0,03) e resistência abdominal (p<0,00) aumentaram. Houve aumento na VFC (p<0,01), e tamanho do efeito negativo em todos os casos. Entre as variáveis do domínio do tempo, LF teve tamanho do efeito igual a -0,17 e HF -0,28 (p<0,001). Em [CK] não houve alteração. Houve alta correlação entre decréscimo em potência de membros inferiores (salto vertical com contramovimento) e [CK] (p=0,01).

Conclusão: Os resultados em VFC sugerem que as atividades realizadas durante o COI promoveram respostas dos ramos simpático e parassimpático de forma significativa, e indicaram boa saúde cardíaca dos participantes devido ao aumento observado entre intervalos RR. Além disso, a diminuição de potência de membros inferiores (no salto vertical com contramovimento) e níveis de [CK] indicou que diferenças nos valores do desempenho, no salto vertical com contramovimento, pode ser, também, utilizado como marcador não invasivo de dano muscular.

Effects of Operational Field of Instruction on Physical Fitness, Muscle Damage Markers and Autonomic Control in NPOR Students of Brazilian Army

Introduction: The Operational Field of Instruction (OFI) demands high physical and mental effort.

Objective: To evaluate the effects of military training activities on indicators of peripheral muscle damage, autonomic control, and physical fitness in students of the Center for Reserve Officers Preparation (CROP) of Pelotas, before and after an OFI and to examine associations with muscle damage. on trainee students.

Methods: This longitudinal study evaluated 18 students of the NPOR training course, before and after one week of activity in IOC with intense physical exercises. The blood concentration of creatine kinase [CK], the indicators of heart rate variability (HRV) and the performance of participants in physical fitness tests were measured. The Shapiro-Wilk test was used to evaluate the normality of the data and the moments were compared with Student's t test for dependent samples and the correlations tested with the Pearson test. The confidence level of the analyzes was 95%.

Results: The power of the upper and lower limbs decreased (p <0.05) and the performance in maximal isometric strength of the left hand (p = 0.03) and abdominal resistance (p <0.001) increased. There was an increase in HRV (p <0.01), and size of the negative effect in all cases. Among the variables of the time domain, LF had effect size equal to -0.17 and HF -0.28 (p <0.001). In [CK] there was no change. There was a high correlation between decrease in power of lower limbs (vertical jump with countermovement) and [CK] (p = 0.01).

Conclusion: The HRV results suggest that the activities performed during the IOC promoted sympathetic and parasympathetic responses in a significant way and indicated good cardiac health of the participants due to the observed increase between RR intervals. In addition, lower limb power (in vertical jump with countermovement) and [CK] levels indicated that differences in vertical jump performance values with countermovement may also be used as a non-invasive marker of muscle damage. The abstract should not exceed 250 words and must summarize the work, giving a clear indication of the conclusions contained therein. It should be structured. The introduction should contextualize the problem.

Referências

Del Vecchio FB, Oliveira LF, Ferreira H, Barth J, Coswig VS. Relações entre aptidão física, concentração de creatina quinase e variabilidade da frequência cardíaca em alunos do NPOR de Pelotas/RS. Pensar a Prática. 2015; 18(2):278-293. https://doi.org/10.5216/rpp.v18i2.34147.

Brasil. Defesa e segurança: em tempos de paz, exército defende fronteiras nacionais. Disponível em: (http://www.brasil.gov.br/defesa-e-seguranca/2012/04/em-tempos-de-paz-exercito-defende-fronteiras-nacionais. Acessado 11/08/215).

Lindquist CH, Bray RM. Trends in overweight and physical activity among U.S. military personnel, 1995-1998. Preventive Medicine.2001;.1(32):57-65. doi: 10.1006/pmed.2000.0771.

Roschel H, Tricoli V, Ugrinowitsch C. Treinamento físico: considerações práticas e científicas. Revista Brasileira de Educação Física. 2011; 25(spe): 53-65. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092011000500007.

Avila JA, Lima Filho PDB, Páscoa MA, Tessutti LS. Efeito de 13 semanas de treinamento físico militar sobre a composição corporal e o desempenho físico dos alunos da escola preparatória de cadetes do exército. Revista Braileira de Medicina do Esporte. 2013; 19,(5):363-366. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922013000500013.

Guzmán JEO, Romero DM, Calderón CA, Urbina A Análisis de los componentes espectrales de la variabilidad cardíaca en hombres jóvenes entrenados: comparación del entrenamiento aeróbico y anaeróbico. Apunts Medicina Del’Esporte . 2012; 47(174):41 -47. doi: https://doi.org/10.1016/j.apunts.2011.06.002

Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi RA, Carvalho TD, Godoy MF. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. 2009; 24(2):205-217. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382009000200018

Coswig VS, Neves AHS, Del Vecchio FB. Respostas bioquímicas, hormonais e hematológicas a lutas de jiu-jitsu brasileiro. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2013 21(2):19-30.doi: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n2p19-30

Coelho DB, Morandi RF, de Melo MAA, Garcia ES. Cinética da creatina quinase em jogadores de futebol profisional em uma temporada competitiva. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2011; 13(3):189-194. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n3p189.

Martins MEA, Santos FM, Arantes RP. Relação da performance na barra fixa com a força de preensão manual e tempo de sustentação na barra fixa. Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército. 2004;128:65-72.

Redkva PE, Vargas LM, da Luz R, Gomes EB, Ikaminagakura EI. A influência da composição corporal no teste de cooper e testes motores realizados no NPOR DO 13° BIB. Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército. 2010; 150:34-40.

Barth J, Del Vecchio FB. Efeitos da frequência ventilatória sobre os índices da variabilidade da frequência cardíaca. Revista Ibero de Arritmia. 2014; 5(1):185-193. doi: 10.5031/v5i1.RIA10245.

Tarvainen MP, Niskanen JP, Lipponen JA, Ranta-aho PO, Karjalainen PA. Kubios HRV — A Software for Advanced Heart Rate Variability Analysis. 4th European Conference of the International Federation for Medical and Biological Engineering. 2009; 22 of the series IFMBE Proceedings: 1022-1025. doi: 10.1007/978-3-540-89208-3_243.

Oliveira RS, Pedro RE, Milanez VF, Bortolotti H, Costa MV, Nakamura FY Relação entre variabilidade da frequência cardíaca e aumento no desempenho físico em jogadores de futebol. Revista Brasileira de Cineantrometria e Desempenho Humano. 2012; 6(14):713-722. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2012v14n6p713.

Fernandes AA, Marins JCB. Teste de força de preensão manual: análise metodológica e dados normativos em atletas. Fisioterapia em Movimento. 2011; 24(3):567-578. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300021.

Zanchet MA, Del Vecchio FB. Efeito da Kinesio Taping sobre força máxima e resistência de força em padelistas. Fisioterapia em Movimento. 2013; 26(1):115-121. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502013000100013.

Castro-piñero J, Ortega FB, Artero EG, Girela-rejón MJ, Mora J, Sjöström M, Ruiz JR. Assessing muscular strength in youth: usefulness of standing long jump as a general index of muscular fitness. Journal of Strenght and Conditioning Research. 2010; 7(24):1810-1817. doi: 10.1519/JSC.0b013e3181ddb03d.

Rhea MR. Determining the Magnitude of Treatment Effects in Strength Training Research Through the Use of Effect Size. Journal of Strenght and Conditioning Research. 2004; 18(4):918-920. doi: 10.1519/14403.1.

Brancaccio P, Maffulli N, Limongelli FM. Creatine kinase monitoring in sport medicine. British Medical Bulletin. 2007; 81(82):209–230. doi: 10.1093/bmb/ldm014.

Allen DG, Lamb GD, Westerblad H. (2008) Skeletal muscle fatigue: cellular mechanisms. Physiological Reviews 2008, 88(1):287-332. doi: 10.1152/physrev.00015.2007.

Garland SJ, e Gossen ER. The muscular wisdom hypothesis in human muscle fatigue. Exercise and Sport Science Reviews. 2002; 30(1):45–49.

Nunes J, Rosa M, Del Vecchio FB . Treinamento de força com uso de correntes e potencialização pós-ativação do salto vertical. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2012; 34(4):1017-1033. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892012000400015.

Maior AS, Alves AA contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força muscular: uma revisão bibliográfica. Motriz. 2003; 9(3):161-168.

McCormick A, Meijen C, Marcora, S. Psychological Determinants of Whole-Body Endurance Performance. Sports Medicine. 2015; 45(7):997-1015. doi: 10.1007/s40279-015-0319-6.

Bartone PT, Roland RR, Picano JJ, Williams TJ. Psycological hardiness predicts success in US Army Special Forces Candidates. International Journal of Life Cycle Assessment. 2008; 1(16):78-81. doi: 10.1111/j.1468-2389.2008.00412.x.

Mougios M. Reference intervals for serum creatine kinase in athletes. Brazilian Journal of Sports Medicine. 2007;41(10):674-8. doi: 10.1136/bjsm.2006.034041.

Dal Pupo J, Detanico D, Santos SG. Parâmetros cinéticos determinantes do desempenho nos saltos verticais. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2012 14(1):41-51. doi: http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2012v14n1p41.

Freitas VH, Souza EA, Oliveira RS, Pereira LA, Nakamura FY et al. Efeito de quatro dias consecutivos de jogos sobre a potência muscular, estresse e recuperação percebida, em jogadores de futsal . Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2014; 28(1):23-30. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092014005000002.

Kaikkonen P, Hynynen E, Mann T, Rusko H, Nummela A. Can HRV be used to evaluate training load in constant load exercises? Europen Journal of Applied Physiology. 2010; 108:435–442. doi: 10.1007/s00421-009-1240-1.

Hedelin R, Bjerle P, Larse´n KH. Heart rate variability in athletes: relationship with central and peripheral performance. Medicine & Science in Sports & Exercise. 2001; 33(8):1394-1398.

Lopes PFF, Oliveira MIB, Sousa S.M, Nascimento DLA, Silva CSS, Rebouças GM, et al. Clinical Applications of Heart Rate Variability. Reviews in Neurociences. 2013; 21(4):600-603.

Maior AS, Netto C F, Eichwald A, Druck G, Villaça G, Foschiera R. S et al..Influência da Intensidade e do Volume do Treinamento Resistido no Comportamento Autonômico Cardíaco. Revista SOCERJ. 2009; 22(4):201-209.

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/196

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.