Efeitos de Um Programa de Ginástica Laboral Sobre a Incidência de Dor em Funcionários de Uma Empresa de Software

Por: Barbara Farina Acosta e Leandro de Melo Beneli.

Revista Saúde e Meio Ambiente - v.4 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Esse estudo possui como objetivo analisar a incidência de dor nos funcionários de uma empresa do segmento de informática, e avaliar os efeitos de um programa de ginástica laboral. Participaram deste estudo 21 funcionários, de ambos os sexos, com idade média de 29+/-4,7 anos. Foi aplicado um questionário denominado de Trigger Points, antes e depois do programa, em que o participante indica através do desenho, as regiões com maior incidência de dor durante o período de trabalho. Os resultados demonstraram a existência de alto percentual de trabalhadores da empresa de informática acometidos por algum desconforto ou dor, com maior incidência nas regiões da coluna, pescoço, trapézio e punho. Após o programa observou-se uma diminuição do número de participantes com queixas de dor e redução percentual na maioria das regiões analisadas. Conclui-se que a ginástica laboral realizada durante um período de seis meses, com três sessões por semana, pode contribuir significativamente com a diminuição ou ausência de dor nestes funcionários.

Referências

Mendes R. Patologia do trabalho. São Paulo: Atheneu; 2001.

Polito E, Bergamaschi EC. Ginástica laboral: teoria e prática. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2010.

Alves S. Ginástica laboral, caminho para uma vida mais saudável no trabalho. Revista CIPA, 1999; 232:30-34,.

Lima FPA. Ergonomia, ciência do trabalho, ponto de vista do trabalho: a ciência do trabalho numa perspectiva histórica. Ação Ergonômica. 2007; 1(2):35-45.

Lima DG. Ginástica laboral: metodologia de implantação de programas com abordagem ergonômica. Jundiaí: Fontoura, 2004.

Souza I, Junior RV. Ginástica laboral: contribuições para saúde e qualidade de vida de trabalhadores da indústria de construção e montagens - Case TECHINT S.A. Efdeportes, Revista digital, Bueno Aires. 2004; 10(77).

Filho AM, Siqueira MVS. Assédio moral e gestão de pessoas: uma análise moral nas organizações e o papel da área de gestão de pessoas. Revista de Administração Mackenzie. 2008; 9(5):11-34

Ayres KV. Qualidade de Vida no Trabalho e qualidade de vida: uma proposta integradora. Roteiro: Revista da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, Campina Grande. 2000; 7(1).

Oliveira JRG. A importância da ginástica laboral na prevenção de doenças ocupacionais. Revista de Educação Física, Mato Grosso. 2007; 139:40-49.

Marchesini CE. A ginástica laboral e seus efeitos. Revista Mackenzie. São Paulo. 2001; 2(1).

Cavalheiro CN. A influência da prática da ginástica laboral na qualidade de vida de trabalhadores de propriedades produtoras de leite: estudo de caso na comunidade São Justino em Juína/MT. [Dissertação de Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento]. Lajeado: Centro Universitário Univates, 2014.

Maciel RH, Albuquerque AMFC, Melzer AC, Leônidas SR. Quem se Beneficia dos Programas de Ginástica Laboral? Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. 2005; 8:71-86.

Anselmo RS. Treinamento de força e ginástica laboral. SESI: João Rique Ferreira na cidade de Campina Grande - Paraíba. [Trabalho de conclusão de curso]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba, 2014.

Silva J, Taranto I, Piasecki F. Ginástica laboral: alongamento x flexionamento. Sabios – Revista de Saúde e biologia. 2006; 1(2):6-12.

Mendes RA, Leite N. Ginástica laboral: princípios e aplicações práticas. São Paulo: Manole, 2004.

Galliza TH, Goetten AS. Os benefícios da ginástica laboral na prevenção dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Revista Divulgação e Ciência. 2010;17(1):56-6

Bloemer R. Postura e desconforto corporal em um ambiente de trabalho informatizado. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Tubarão: Unisul, 2002.

Galli RK. Uma análise de segurança ocupacional em relação às lesões por esforços repetitivos na área da informática. [Trabalho de Conclusão de Curso em gestão de negócios] São Paulo: FATEC – Faculdade de Tecnologia, 2009.

Rocha LE. Estresse ocupacional em profissionais de dados: condições de trabalho e repercussões na vida e saúde dos analistas de sistema. [Tese Doutorado em medicina preventiva]. São Paulo: Universidade de São Paulo (Faculdade de Medicina), 1996.

Epaminondas BSAD. Qualidade de vida e a prevalência de sintomatologia dolorosa musculoesquelética em analistas de sistemas da informação antes e após um programa de intervenção de cinesioterapia laboral. [Trabalho de conclusão de curso da Faculdade de Fisioterapia] Campinas Grande: Universidade Estadual da Paraíba, 2012.

Krinsky K, Elsangedy MH; Colombo H, Buzzachera FC. Efeitos do exercício físico no sistema imunológico. Centro de pesquisa em exercício e esporte do departamento de Educação Física da Universidade federal do Paraná (UFPR). RBM. 2010; 67(7):228-233.

Trindade LL, Schuh MCC, Krein C, Ferraz L, Amestoy SC. Dores osteomusculares em trabalhadores da indústria têxtil e sua relação com o turno de trabalho. Revista de enfermagem. 2012; 2(1):108-111.

Lima VA, Aquilas AL, Junior MF. Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório. Revista de Medicina do Trabalho. São Paulo. 2009, 7:11-17.

Couto HA, Nicoletti SJ, Lech O. Como gerenciar a questão das LER/D.O.R.T.: lesões por esforços repetitivos, distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Belo Horizonte: Editora Ergo, 1998.

Guerra MK. Ginástica na empresa: corporate e fitness. Âmbito Medicina Desportiva 1995; 10:19-22.

Mendes RA. Ginástica laboral: implantação e benefícios nas indústrias da cidade industrial de Curitiba. [Dissertação de Mestrado em Tecnologia]. Curitiba: Centro Federal de Educação Tecnológica, 2000.

Longen WC. Ginástica Laboral na Prevenção de LER/DORT? Um Estudo Reflexivo em uma Linha de Produção. [Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção]. Florianopolis: Universi¬dade Federal de Santa Catarina, 2003.

Pressi MAS, Candotti CT. Ginástica Laboral. São Leopoldo: UNISINOS, 2005.

Oliveira JRGO. A prática da ginástica laboral. 3ª ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2006.

Maciel ACC, Fernandes MB, Medeiros LS. Prevalence and factors associated with pain symptoms in professionals of the textile industry. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo. 2006; 9(1):94-102.

Candotti CT, Stroschein R, Noll M.; Efeitos da ginástica laboral na dor nas costas e nos hábitos posturais adotados no ambiente de trabalho. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis. 2011; 33(3):699-714.

Manosso M, Lanferdini FJ, Dal'Agnol MJ, Roncada C, Dias CP. (2014). Comparação dos níveis de estresse e estilo de vida entre praticantes e não praticantes de ginástica laboral. 2014; 22(2):65-71.

Moraes MAA; Silva RM. Quem está habilitado à prática da ginástica laboral o fisioterapeuta e/ou educador físico. Revista Saúde e Meio Ambiente – RESMA, Três Lagoas. 2016; 2(1):16-24.

Moreira NC, Bartolomeu TA, Moreira GC. Organização do Trabalho e suas Implicações para a Qualidade de Vida no Ambiente Organizacional do Setor Público. FAZU em Revista, Uberaba. 2008; 5:149-154.

Guedes DT, Silva DB, Másculo FS. Estudo ergonômico do posto de trabalho dos operadores de computador em uma empresa estatal de auditoria fiscal. XXII encontro nacional de engenharia de produção. Curitiba, Paraná, 23 a 25 de outubro de 2002.

Kawano MM, Menacho MO, Oliveira BIR, Boer MC, Souza RB, Cardoso JR. Análise da Fadiga dos Músculos Paraespinhais em Indivíduos Saudáveis na Posição Sentada. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2009; 11(1):30-36.

Martins CO, Duarte MFS. Efeitos da ginástica laboral em servidores da Reitoria da UFSC. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Brasília. 2000; 8(4):7-13.

Soares R, Assunção A, Lima F. Searching for elements at work that could explain the low attendance to a labor gymnastics program. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo. 2006; 31(114):149-160.

Sampaio AA, Oliveira JRG. A ginástica laboral na promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida no trabalho. Cad Edu Fís 2008;7(13):71-79.

Figueiredo AGO. A inserção do profissional de educação física em atividades de ginástica laboral do projeto “Qualidade de vida” para a superintendência dos serviços penitenciários/RS. [Trabalho de Conclusão de Curso no Programa de Pós-Graduação em Administração]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

Picoloto D, Silveira E. Prevalência de Sintomas Osteomusculares e Fatores Associados em Trabalhadores de uma Indústria Metalúrgica de Canoas – RS. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2008; 13(2):507-516.

Endereço: https://periodicos.ufms.br/index.php/sameamb/article/view/3155

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.