Efeitos de Diferentes Protocolos de Treinamento Físico Sobre Metabolismo Oxidativo Ventricular em Ratos Submetidos Ao Infarto Agudo do Miocárdio

Por: Cleber Aurino Pinho.

2011

Send to Kindle


Resumo

As doenças cardiovasculares se destacam como a principal causa de morte no Brasil e o exercício físico tem sido considerado como sendo um importante agente tanto na prevenção quanto no tratamento dessas doenças. Entretanto, os estudos ainda são controversos quanto ao tipo e à intensidade de esforço necessária para provocar alterações bioquímicas protetoras significativas. Verificar os efeitos de dois protocolos de exercício sobre parâmetros do metabolismo oxidativo ventricular em ratos pós-infarto. Foram utilizados 36 ratos Wistar machos, dois meses de idade, pesando entre 200-250g e divididos randomicamente em 2 grupos (n=18): Sham e Infarto Agudo do Miocárdio (IAM). Os animais foram anestesiados e induzidos ao IM por oclusão da coronária . Trinta dias após a indução do IAM os animais foram divididos em 6 subgrupos (n=6): Sham, Sham + treinamento contínuo (60 minutos), Sham + treinamento fracionado (10 x 5 minutos com 1 minuto de intervalo), IAM, IAM + treinamento contínuo e IAM + treinamento fracionado. As sessões de exercício foram realizadas na água (30-32ºC), 5 vezes por semana, durante 6 semanas. Quarenta e oito horas após a última sessão de exercício os animais foram mortos por decapitação, o ventrículo esquerdo foi cirurgicamente removido e armazenado em freezer -80ºC para análises de estresse oxidativo (atividade e expressão de enzimas antioxidantes e danos oxidativos em lipídeos e proteínas) e metabolismo oxidativo (complexos da cadeia respiratória). Após o infarto do miocárdio, a produção de superóxido reduziu significativamente em ambos os modelos de treinamento. A atividade e a expressão da SOD não foram alteradas pelos treinamentos, mas a CAT aumentou sua expressão com o treinamento contínuo e a expressão da GPX reduziu em ambos os grupos treinados coincidindo com o aumento de sua atividade. Os danos em lipídeos reduziram apenas no grupo submetido ao treinado contínuo enquanto que os danos em proteínas somente no grupo com treinado fracionado. Citocromo C aumentou em ambos os grupos enquanto PGC1-alfa teve sua expressão aumentada no grupo submetido ao treinamento contínuo. HIF-1 reduziu significativamente com ambos os protocolos de treinamento. Esses resultados sugerem uma melhora significativa no estado redox do miocárdio de ratos induzidos ao IAM e expostos a diferentes modelos de treinamento, porém o treinamento contínuo parece ser mais eficiente sobre os parâmetros analisados.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.