Efeitos do Treinamento Funcional na Fluência Verbal de Idosos com Doença de Alzheimer

Por: A. Stein, E. G. Carmo, J. L. R. Costa, P. S. Donadelli, R. L. M. Fukushima e R. V. Pedroso.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

A doença de Alzheimer (DA) é neurodegenerativa, progressiva e irreversível, sendo o tipo de demência mais comum entre os idosos. A sua evolução é caracterizada por declínios cognitivos, sendo que, dentre estes, destaca-se a fluência verbal que pode prejudicar a comunicação com as pessoas e afetar o convívio familiar e social do idoso. Desta forma, programas que minimizem esses declínios são fundamentais. O objetivo deste trabalho foi analisar os efeitos do treinamento funcional na fluência verbal em idosos com DA. Participaram do estudo 40 idosos com DA nos estágios leve e moderado oriundos do Programa de Cinesioterapia Funcional e Cognitiva em Idosos com Doença de Alzheimer (PRO-CDA), sendo que 22 participaram do grupo de treinamento funcional (GT) e 18 idosos participaram do grupo de convívio social (GCS). A média de idade dos grupos foram: GT (78,0±5,6 anos); GCS (74,6±7,6 anos) e a média de escolaridade: GT (4,3±,5,0 anos); GCS (5,1±5,8 anos). Os instrumentos utilizados foram: Mini Exame do Estado Mental (MEEM) para avaliar as funções cognitivas globais, Teste de Fluência Verbal (categoria animais) para a avaliação da fluência verbal e a Escala geriátrica de depressão (GDS) para detectar sintomas depressivos em idosos. Os protocolos do GCS e do GTF totalizaram 12 semanas, com atividades realizadas três vezes por semana, em dias alternados e com duração de 60 minutos por sessão. Todos os dados foram expressos em média e desvio padrão. Inicialmente a normalidade dos dados foi verificada por meio do teste de Shapiro Wilk, e posteriormente foi utilizado o teste t para amostras independentes para comparação entre grupos e o teste t pareado para comparação intragrupos, admitindo nível de significância de 5%. Não houve diferença entre grupos e intragrupos nos momentos pré e pós para as variáveis avaliadas. Para o GT, foram encontrados os valores médios nos momentos pré e pós-intervenção para MEEM (Pré:18,5±5,1; Pós:18,0±4,7 pontos); GDS (Pré: 6,3± 3,5; Pós:7,5±4,3 pontos); Fluência Verbal (Pré: 7,2±3,1; Pós:6,7±3,2 nomes de animais). Para o GCS, os resultados nos momentos pré e pós-in tervenção foram: MEEM (Pré:18,7±4,8; Pós: 20,0±5,7 pontos); GDS (Pré:6,9±5,3; Pós:7,3±6,4 pontos); Fluência Verbal: (Pré:8,0±3,0; Pós:8,8±4,0 nomes de animais). Não foram encontradas diferenças significativas após o período de intervenção, porém houve uma manutenção da fluência verbal nos idosos com DA participantes do PRO-CDA, o que torna-se um resultado positivo, uma vez que a doença têm comprometimento progressivo e irreversível. 

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.