Efeitos de Dois Programas de Treinamento em Piscina Funda nas Respostas Cardiorrespiratórias, Neuromusculares e no Equilibrio de Idosos

Por: Ana Carolina Kanitz.

2013 23/08/2013

Send to Kindle


Resumo

O crescimento acelerado da população idosa juntamente com o aumento da procura por atividades físicas tem motivado cada vez mais estudos que envolvam treinamento e o idoso. A corrida em piscina funda parece ser uma alternativa interessante para essa população, uma vez que não possui impacto nos membros inferiores possibilitando que o indivíduo se exercite em grandes cargas aeróbias com menor risco de lesão. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos de dois programas de treinamento em piscina funda nas respostas cardiorrespiratórias, neuromusculares e no equilíbrio de idosos. Participaram do estudo 34 sujeitos, divididos em um grupo que realizou um treinamento aeróbio de corrida em piscina funda (AERO; n=16; 66±4 anos) e um grupo que realizou um treinamento de força em meio aquático seguido do treinamento aeróbio de corrida em piscina funda (FOR-AERO; 64±4 anos). Ambos os grupos realizaram um período de familiarização com o meio aquático e com a técnica de corrida em piscina funda anteriormente ao período de treinamento, com duração de quatro semanas e com frequência semanal de duas sessões. Já o período de treinamento teve uma duração de 12 semanas realizando três sessões por semana. Antes e após ambos os períodos, os indivíduos foram avaliados em parâmetros relacionados à capacidade cardiorrespiratória, às respostas neuromusculares e ao equilíbrio. Para análise dos dados pré e pós-período de familiarização foi realizado um teste T pareado, para as comparações pré e pós-treinamento foi utilizado uma ANOVA para medidas repetidas com fator grupo ( =0,05). Em relação às variáveis cardiorrespiratórias e neuromusculares não foram observadas mudanças significativas após o período de familiarização. Entretanto, o equilíbrio em todas as situações avaliadas (apoio unipodal e bipodal com e sem venda nos olhos) apresentou uma melhora significativa após as quatro semanas de familiarização (p<0,05). Após o período de treinamento, ambos os grupos apresentaram uma redução da frequência cardíaca de repouso, um aumento do consumo de oxigênio de pico e um aumento do consumo de oxigênio no segundo (VO2LV2) e no primeiro limiar ventilatório (p<0,05). Somente o VO2LV2 apresentou diferença entre os grupos no pós-treinamento, demonstrando valores maiores para o grupo AERO (p<0,05). Em relação às variáveis neuromusculares, ambos os grupos aumentaram a força muscular dinâmica máxima e a força muscular isométrica de extensão de joelho após o treinamento (p<0,05), sem diferenças entre os grupos (p>0,05). A resistência muscular dinâmica apresentou um aumento significativo (p<0,05) tanto para flexão como para a extensão de joelho, sem diferença entre os grupos (p>0,05). A atividade eletromiográfica máxima apresentou um aumento significativo para os músculos vasto lateral, reto femoral e semitendinoso (p<0,05), sem diferenças entre os grupos (p>0,05). Em relação às repostas de equilíbrio, observamos uma manutenção dos valores em ambos os grupos após o período de treinamento (p>0,05). Assim, concluímos que os dois modelos de treinamento avaliados foram eficientes para melhoras significativas nas respostas cardiorrespiratórias e neuromusculares de homens idosos, e não foram específicos para melhoras nas respostas de equilíbrio. Entretanto, o período de familiarização proporcionou melhoras significativas no equilíbrio em todas as situações avaliadas.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/81566

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.