Efeitos de Exercícios Cíclicos Forçados em Variáveis Motoras , Fi Siológicas e Sintomas de Indivíduos com a Doença de Parkinson

Por: Daniel Fernan Des Martins.

2014 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

A Doença de Parkinson (DP) é um distúrbio neurodegenerativo, caracterizado pela perda progressiva de células da substância negra do mesencéfalo, que acomete principalmente a população idosa. Dentre os comprometimentos causados pela DP, destacam-se o tremor, a bradicinesia e as dificuldades na marcha e no equilíbrio. Estudos recentes, utilizando bicicletas estacionárias, indicam que exercícios físicos em ritmo acima do preferido pelos portadores da DP (exercícios forçados) proporcionam efeitos potencializados em relação a exercícios voluntários. Paralelamente, estudos indicam que portadores da DP apresentam menos travamentos motores ao pedalarem livremente (outdoor), quando comparados com o ciclismo estacionário. Sendo assim, este estudo teve como objetivo analisar os efeitos de um programa de treinamento de ciclismo outdoor, baseado em exercícios forçados, em variáveis motoras, fisiológicas, neu romusculares e sintomas de indivíduos com a DP. Para isso, foram analisados 20 portadores da DP, distribuídos aleatoriamente entre o grupo controle (n= 10) e o grupo experimental (n = 10). Foram avaliados os sintomas da DP, por meio de escalas clínicas; v ariáveis fisiológicas, utilizando a ergoespirometria; variáveis da marcha, por meio da cinemetria;variáveis relacionadas à capacidade de produção de força, utilizando a dinamometria; e variáveis relacionadas ao equilíbrio estático, por meio da estabilometria. Os participantes do grupo experimental foram submetidos a um programa de treinamento de ciclismo (bicicleta tandem) de 12 semanas, sendo realizadas sessões de 30 min, três vezes por semana, com cadências de pedalada 30% acima da cadência preferida de cada participante. Para a verificação dos efeitos do programa de treinamento foi utilizado o teste t de Student, com p ≤0,05. Os resultados mostraram que na avaliação pré-intervenção não houve diferença significativa para nenhuma das variáveis mensuradas ao comparar os dois grupos. Também não foram verificadas diferenças significativas entre as avaliações pré e pós-intervenção para o grupo controle. O grupo experimental apresentou melhorias significativas para as seguintes variáveis: partes I e IV da Escala unificada de avaliação para a doença de Parkinson; Potência pico e Potência no primeiro limiar de lactato durante um teste de esforço incremental máximo; Força de preensão manual isométrica máxima e Pico de torque isométrico máximo de extensão de joelho, em ambos os hemicorpos. Os resultados indicaram que a intervenção proposta resultou em melhorias fisiológicas, redução de alguns sinais/sintomas clínicos e aumento da capacidade de produção de força dos membros superiores e inferiores dos portadores da DP. De maneira geral, pode-se afirmar que o programa de treinamento causou benefícios aos participantes do estudo.
 

Endereço: http://ppgef.ufsc.br/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.