Efeitos da Individualização da Intensidade de Um Programa de Treinamento Contínuo em Variáveis Respiratórias e Hemodinâmicas de Adolescentes Asmáticos Graves

Por: Luzimar Raimundo Teixeira.

140 páginas. 1996

Send to Kindle


Resumo

Este estudo teve por objetivo investigar se uma intensidade de treinamento contínuo individualizado, para as condições dos alunos, pode modificar as variáveis da função pulmonar e hemodinâmicas de adolescentes asmáticos graves. Participaram deste estudo 19 adolescentes encaminhados ao "Programa de educação e atividades físicas adaptadas ao portador de asma" do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo, com idade variando entre 11 e 14 anos. O grupo controle foi formado por 12 pacientes do ambulatório do Hospital infantil Darcy Vargas, com a mesma gravidade da doença e idade variando entre nove e 12 anos. Os grupos apresentaram as mesmas características sócio-econômicas. O treinamento consistiu de três sessões semanais durante 20 semanas sendo: cinco minutos de aquecimento pedalando sem carga e 30 minutos com a carga de treinamento individual previamente determinada a 705 do VO2 de pico. Participaram também de duas outras sessões semanais com as seguintes atividades: 45 minutos de exercícios generalizados intercalados com exercícios respiratórios, 45 minutos de natação e 30 minutos de exercícios diafragmáticos intercalados com canto. O consumo de oxigênio de pico (VO2 pico) foi obtido em cicloergômetro de frenagem eletromagnética. O protocolo foi o incremental tipo rampa com aumento de 10 ou 15 w/min, dependendo da estatura da criança. Paralelamente foi desenvolvido um programa educativo sobre a doença para o asmático e seus familiares. Os resultados mostram que: treinamento aeróbio individualizado pode aumentar o VO2 pico e a ventilação pulmonar (VE) de asmáticos graves; uma menor ventilação para um mesmo esforço indica melhor eficiência respiratória e tende a evitar o broncoespasmo induzido pelo exercício (BPE); não há diferenças significativas nas variáveis da função pulmonar, com exceção do fluxo expiratório forçado (FEF); não há diminuição do BIE após teste máximo; melhor capacidade cardiovascular e ventilação proporcionam menor desconforto respiratório; melhor ventilação com menor frequência respiratória permite ao asmático grave participar de atividades físicas mais intensas.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1283&listaDetalhes%5B%5D=1283&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.