Efeitos da Restrição Visual e da Complexidade de Rotas em Tarefas de Orientação Espacial em Adultos Portadores de Deficiência Mental

Por: Carolina Paioli, Cícero Campos, e Renato de Moraes.

Motriz - v.7 - n.1 - 2001

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar se a deficiência mental pode ser um fator de restrição na percepção do espaço durante tarefas de orientação em perspectiva dinâmica. Quatorze indivíduos portadores de deficiência mental (DM) e dez indivíduos normais foram solicitados a retornar para um ponto de partida após se deslocar andando em linha reta e ao longo de dois lados de um triângulo. Distâncias variaram em comprimento de 5 a 24 metros. Condições monocular (MO) e háptica (HA) foram testadas. Uma função psicofísica de potência foi usada para determinar o melhor ajuste da reta psicofísica representativa das distâncias real e produzida. Erros relativos da distância produzida (ERDP) e de desvio angular (ERDA) foram analisados. Os resultados psicofísicos mostraram uma tendência perceptiva em direção à subconstância (picos abaixo de 1.0) para ambos os grupos, ambas condições e tarefas. O grupo DM mostrou desvios angulares maiores nas duas tarefas. Diferenças significativas foram encontradas entre os grupos para o expoente e ERDA. Diferenças significativas também foram encontradas entre as tarefas para as variáveis ERDA e ERDP. Nós concluímos que indivíduos portadores de DM são menos acurados em tarefas de orientação do que indivíduos normais, particularmente para manutenção da rota, e que seu desempenho é mais afetado pela complexidade da tarefa. Palavras chaves: Orientação espacial; deficiência mental; psicofísica do espaço

Endereço: http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/07n1/deCastro.pdf

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.