Efeitos da Suplementação de β-Hidroxi-β-Metilbutirato (HMB) Através de Marcadores Fisiológicos, Bioquímicos e Biomecânicos em Atletas de Alto Rendimento De Canoagem

Por: Heros Ribeiro Ferreira.

159 páginas. 2013 11/04/2013

Send to Kindle


Resumo

A canoagem é uma modalidade esportiva diferenciada por ocorrer e sofrer as influências do meio líquido, principalmente na aplicação das cargas de força da remada. A avaliação de força isolada entre segmentos permite análise de discrepância entre hemicorpos. O estudo sobre as assimetrias de força na canoagem são importantes principalmente por associação com desempenho de alto rendimento. Da mesma forma que o desempenho da eficiência mecânica o estado metabólico do atleta está ligado intimamente com a performance final. Em relação ao estado metabólico notamos que o uso de suplementos nutricionais ergogênicos está se tornando inseparável nos esportes competitivos. Destacamos o ?-hidroxi-?-metilbutirato (HMB) foi recentemente sugerido para promover aumento da massa livre de gordura (MLG) e ganhos de força durante o treinamento de resistência em adultos. O presente estudo prospectivo, randomizado, duplo-cego, placebo-controlado, estudou o efeito da suplementação de 37,5 mg/dia/kg sobre os paramentos bioquímicos (MLG, triacilgliceróis, lipoproteínas, creatinina sérica, CK total e frações, LDH e ferro sérico) bioquímicos (hematológicos) e biomecânicos (parâmetros da curva força-tempo - pico de força, força média, impulso gerado, taxa de desenvolvimento de força e índice de fadiga). Amostra foi composta de 20 canoístas masculinos, nível competitivo internacional, durante o período de treinamento de força, acompanhados durante seis meses, com 18,7 ± 1,49 anos; peso corporal de 78,9 ± 3,3 kg. Foram divididos em dois grupos, em duplo cego e aleatoriamente: um grupo suplementado (c/ HMB) e outro grupo (Placebo). A composição das cápsulas com HMB era de 250mg de ?-hidroxi-?-metilbutirato (HMB - Ca)/ 340 mg de celulose microcristalina/ 10 mg de estearato de magnésio e a composição das cápsulas do grupo placebo eram compostos de 340 mg de celulose microcristalina/ 10 mg de estearato de magnésio. O pico de força apresentou queda durante toda a avaliação provavelmente por dificuldade na estratégia de aumento ou manutenção no final do teste para sustentar a velocidade, visto que não possuíam acompanhamento dos instantes da prova. Os resultados apontam a diferença de aplicação de força entre hemicorpos (direito e esquerdo) manteve-se em igual proporção durante todos os instantes da prova (inicio, meio e fim). Tal achado indicou que a fadiga que se instala ao longo da prova não influencia as diferenças na capacidade de gerar força propulsiva entre os segmentos. Ainda, indicam que a dosagem de proposta provocou aumento de massa livre de gordura e diminuição de lipoproteínas, bem como a redução dos marcadores inflamatórios (CK total e frações, LDH) em relação ao grupo placebo O presente estudo alerta pela necessidade de mais estudos com HMB, pois parece ter efeito sobre a síntese proteica, via pela qual ainda não está muito esclarecida. Conclui-se que mesmo que escassa as evidências científicas parece que o HMB ser eficiente. Contudo parece não se tratar apenas de ganho de massa livre de gordura e melhoria do estado metabólico geral, mas sim, de ganhos efetivos para o sistema imunológico aumentando a capacidade de resistência do organismo.

Endereço: http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/handle/1884/31765?show=full

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.