Efeitos do Treinamento e Destreinamento de Hidroginástica no Perfil Lipídico e na Remodelação óssea em Mulheres Pré-menopáusicas.

Por: Mari Lúcia Sbardelotto Tormen.

2007 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do presente estudo foi Identificar os efeitos do treinamento e destreinamento de Hidroginástica no perfil lipídico na remodelação óssea em mulheres pré-menopáusicas. As variáveis colesterol total (CT), lipoproteínas de alta densidade ligadas ao colesterol (HDL-C), lipoproteínas de baixa densidade ligadas ao colesterol (LDL-C), triglicerídeos (TG), força de extensores do joelho (F.EXT.J), extensores e flexores horizontais do ombro (F.EXT.HO e F.FLEX.HO), tempo de exaustão em teste de esteira (TE), osteocalcina (OST) e hidroxiprolina (HID) para remodelação óssea foram medidas em três períodos de tempo (avaliações 1, 2 e 3) em trinta e cinco mulheres divididas em dois grupos: grupo 1 (G1) e grupo 2 (G2). Na fase 1 do programa tanto o G1 como o G2 realizaram um treinamento concorrente (TC) periodizado, o treinamento teve uma duração de 20 semanas, com duas sessões semanais. Na fase 2 do programa o G1 realizou um destreinamento com duração de 20 semanas, que caracterizou-se pela ausência de atividade física regular, e o G2, realizou um treinamento de hidroginástica tradicional (THT) não-periodizado também por 20 semanas. Para a análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, ANOVA para medidas repetidas com um fator (grupo) e post-hoc de Bonferroni, com nível de significância de µ=0,05. Ao analisar o perfil lipídico, foram observadas mudanças significativas da avaliação 1 para a avaliação 2 em todas as variáveis (CT, HDL-C, LDL-C, TG), retornando aos valores iniciais após a avaliação 3 tanto para o G1 que destreinou sem atividade física regular como para o G2 que executou nesse mesmo período o treinamento em hidroginástica tradicional. Para a variável força os aumentos foram significativamente altos, comprovando que a hidroginástica é uma eficiente modalidade no desenvolvimento desse parâmetro. Sobre o tempo de exaustão os resultados encontrados foram estatisticamente diferentes na avaliação 3 quando comparamos os grupos. Para a remodelação óssea, foram encontradas diferenças significativas somente na hidroxiprolina (HID). Esses resultados sugerem que um período de treinamento periodizado necessita ser mantido, pois as respostas tanto do destreinamento quanto do THT não periodizado foram similares proporcionando um processo de descondicionamento que afetou o desempenho porque diminui a capacidade fisiológica, possivelmente pelo fato de que após a realização de um treinamento adequadamente planejado um período de destreinamento ou a execução de um treinamento em hidroginástica tradicional de forma não periodizada foram insuficientes para manutenção dos parâmetros adquiridos. Palavras-chave: treinamento concorrente em água, perfil lipídico, força, tempo de exaustão em teste de esteira, remodelação óssea.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/14946

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.