Efeitos do Treinamento Físico Contínuo ou Intervalado em Um Modelo Experimental de Dislipidemia e Isquemia Miocárdica

Por: Maria Claudia Costa Irigoyen.

2013 04/06/2013

Send to Kindle


Resumo

O infarto do miocárdio (IM) é a doença cardiovascular que mais causa morte e invalidez em todo o mundo. O uso de animais experimentais tem auxiliado a compreender melhor a fisiopatologia e as formas de tratamento do IM. Sabendo que as dislipidemias estão associadas com o IM e que o treinamento físico pode ser prescrito para prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, no presente trabalho, investigamos os efeitos de dois tipos de treinamentos físicos em um modelo experimental de dislipidemia e isquemia miocárdica. Camundongos selvagens (WT) e knockout para o receptor LDL (LDL-/-) foram divididos em oito grupos: a) LDLr-/- sedentário (LDL-S); b) LDLr-/- infartado sedentário (LDL-IM-S); c) LDLr-/- infartado submetido a treinamento contínuo (LDL-IM-C); d) LDLr-/- infartado submetido a treinamento intervalado (LDL-IM-I); e) WT sedentário (WT-S); f) WT infartado sedentário (WT-IM-S); g) WT infartado submetido a treinamento contínuo (WT-IM-C); h) WT infartado submetido a treinamento intervalado (WT-IM-I). Após 60 dias da ligadura da artéria coronária descendente, o treino contínuo constou de corrida a 60% do máximo e o intervalado de 8 tiros de 4min a 80% do máximo e recuperação de 4min a 40% do máximo. Nos animais WT infartados, ambos os treinamentos aumentaram a tolerância ao esforço e provocaram diminuição do balanço simpatovagal e aumento do índice alfa em magnitudes semelhantes. O treinamento intervalado reduziu o número de fibras do tipo II em relação aos grupos WT-S e WT-IM-C, bem como reduziu a quantidade de fibras do tipo II-X em relação aos WT-S. A área de secção transversa das fibras do tipo I foi maior no grupo WT-IM-I do que no WT-IM-S e WT-S. A razão capilar/fibra foi maior nos animais do grupo WT-I do que no WT-S. A fração de ejeção e a fração de encurtamento foi menor no grupo LDL-IM-I em relação aos demais, mas sem diferenças entre os grupos WT-S, WT-IM-C e WT-IM-I. Nos animais LDL-/-, o LDL foi maior e o VLDL menor no grupo LDL-IM-C em relação aos demais. O HDLtg(%) foi superior no LDL-C em relação ao LDL-S. O HDLc (mg e %) do LDL-IM-I foi maior que o do grupo LDL-IM-C, sendo que o HDLc (mg) do LDL-IM-I foi, ainda maior do que o grupo LDL-S. O triglicérides total foi menor no grupo LDL-IM-C do que no LDL-S. Somente o grupo LDL-IM-I diminuiu a FC de repouso em relação ao grupo LDL-IM-S. A PA diastólica foi menor no grupo LDL-IM-S em relação ao LDL-S, enquanto que o grupo LDL-IM-I apresentou PA diastólica maior do que o grupo LDL-IM-C. A variância do intervalo de pulso foi maior no grupo LDL-S somente em relação ao grupo LDL-IM-I. Em conjunto nossos resultados demonstraram que os animais LDL possuem diferenças funcionais e fisiológicas importantes em relação ao WT, especialmente na morfologia muscular, na hemodinâmica e no controle autonômico. Que o IM acarretou prejuízos em ambas as linhagens investigadas e que os dois tipos de TF atenuaram semelhantemente esses prejuízos em grande parte das variáveis analisadas

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-16092013-161614/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.