Efeitos do Treinamento em Rugby em Cadeira de Rodas em Atletas de Elite com Lesão da Medula Espinhal

Por: Anselmo de Athayde Costa e Silva, José Irineu Gorla, Lucinar Jupir Forner Flores, Luis Felipe Castelli Correia de Campos e Luiz Gustavo Teixeira Fabrício dos Santos.

Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar - v.17 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

O treinamento físico é capaz de proporcionar melhoras dos componentes fisiológicos, metabólicos e neuromusculares em indivíduos com LME cervical, dessa forma, o objetivo do estudo foi de analisar a influência do treinamento de rúgbi em cadeira de rodas nos aspectos fisiológicos e na capacidade funcional dos indivíduos com Lesão da Medula Espinhal. Foram avaliados sete atletas de RCR do sexo masculino com LME cervical (média do grupo de 28,57±6,52anos e tempo de lesão de 7±4,96 anos). Os sujeitos realizaram o Teste de Campo de corrida 12 minutos adaptado em dois momentos distintos, o primeiro antes de realizar a prática esportiva e o segundo momento, após intervenções do treinamento do RCR. Foram observadas diferenças significativas entre as médias da amostra referentes aos valores de Consumo Máximo de Oxigênio (VO2max), número de voltas realizadas (Voltas) e distância percorrida (D) (p≤0.05), que inicialmente eram de 10,09 ± 6,91 ml(kg.min)-1, 15 ± 4,95voltas e 1151,3 ± 373,4 metros, respectivamente. Enquanto que, os valores obtidos no final do programa foram de 18,23 ± 8,21 ml(kg.min)-1, 21,14 ± 5,92 voltas e 1592,5 ± 446,5 metros. Conclui-se que a prática de forma regular no RCR gera adaptações e melhoras sobre os componentes fisiológicos e neuromusculares em atletas com LME.

Endereço: http://revistas.unipar.br/saude/article/view/4972

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.