Efeito da ingestão de 250 e 500 ml de água sobre o transiente Inicial e a variabilidade da frequência cardíaca

Por: , Djalma Rabelo Ricardo, Plínio dos Santos Ramos e Thiago Casali Rocha.

Revista da Educação Física - UEM - v.29 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi analisar o efeito da ingestão de duas quantidades de água na modulação autonômica. Participaram 26 homens, com idade entre 18 e 30 anos, foram submetidos a dois dias de intervenção e avaliação com intervalo de 24 horas. O protocolo consistiu na ingestão de 250 ou 500 mL de água, em ordem randômica. Para avaliar o TIFC no exercício dinâmico foi utilizado o índice vagal cardíaco (IVC) obtido por meio do Teste de Exercício de 4 segundos nos momentos pré e pós-ingestão (5o, 10o, 20o e 30o minutos). Para avaliar a modulação autonômica no repouso foi utilizada a VFC durante 30 minutos após a ingestão, quando foi registrado a FC de repouso. Os resultados apontam que após 5 minutos da ingestão de água houve um aumento do TIFC (p=0,02), sem que houvesse diferença em função dos volumes de água ingeridos (p=0,8). Na VFC não houve diferença entre os volumes ingeridos, tanto no domínio do tempo quanto no domínio da frequência. Em relação a FC de repouso, houve diferença no 20o minuto quando comparado aos demais momentos (p<0,05). Conclui-se que os nossos resultados demostraram que não houve diferença no TIFC, VFC e na FC de repouso quando foram comparadas a ingestão de 250 e 500 mL de água à temperatura ambiente em indivíduos saudáveis. Contudo, o TIFC e a FC de repouso demostraram diferença entre os momentos analisados.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/31935

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.