Eficiência Neuromuscular dos Músculos Articulares do Joelho na Fase Inicial do Treinamento de Força: Efeitos da Pré-ativação dos Músculos Antagonistas

Por: Euler Alves Cardoso, Frederico Ribeiro Neto, Martim Bottaro, Rodrigo Luiz Carregaro e Wagner Rodrigues Martins.

Motricidade - v.14 - n.4 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Nosso objetivo foi comparar as adaptações da eficiência neuromuscular (ENM) entre os métodos de exercícios resistidos (com e sem pré-ativação dos músculos antagonistas) após seis semanas de treinamento. Este estudo controlado randomizado designou quarenta e nove homens (idade média de 20,9 ± 2,2 anos; altura 1,80 ± 0,1 m; massa corporal 75,0 ± 8,2 kg) em dois grupos: 1) grupo Treino Recíproco (RT, flexão concêntrica do joelho imediatamente seguida por joelho concêntrico extensão a 60 ° .s -1 ); e Treinamento Convencional (TC, exercício de extensão concêntrica do joelho). Ambos os treinamentos adotaram três séries, 10 repetições a 60 ° .s -12 dias / semana durante 6 semanas. O NEM de extensão e flexão do joelho foi avaliado pré e pós-treinamento. Os grupos foram semelhantes no início, para todas as variáveis. Encontramos efeitos significativos no NME apenas para o músculo reto femoral no grupo RT (ES = 0,31; IC 95% [0,30-0,92]; p <0,01). Não houve diferenças significativas no NME pré e pós-treinamento em CT e Total de Trabalho não diferiu entre os grupos. O treinamento recíproco proporcionou melhor eficiência neuromuscular, mas os efeitos foram limitados ao músculo reto femoral. Os pequenos tamanhos de efeito sugerem cautela nos resultados.

Referências

Arabadzhiev, TI, Dimitrov, GV, Dimitrova, NA e Dimitrov, GV (2010). Interpretação de EMG integral ou RMS e estimativas de "eficiência neuromuscular" podem ser enganosas na contração fatigante. Journal of electromyography and kinesiology, 20 (2), 223-232. doi: 10.1016 / j.jelekin.2009.01.008

Aragão, F. A., Schäfer, G. S., Albuquerque, C. E. d., Vituri, R. F., Mícolis de Azevedo, F., & Bertolini, G. R. F. (2015). Eficiência neuromuscular dos músculos vasto lateral e bíceps femoral em indivíduos com lesão de ligamento cruzado anterior. Revista Brasileira de Ortopedia, 50(2), 180-185. doi:https://doi.org/10.1016/j.rbo.2014.03.004

Baker, D., & Newton, RU (2005). Efeito agudo na potência de alternar um exercício muscular agonista e antagonista durante um treino complexo. Journal of Strength and Conditioning Research, 19 (1), 202-205. doi: 10.1519 / 1533-4287 (2005) 19 <202: Aeopoo> 2.0.Co; 2

Beck, TW, Housh, TJ, Johnson, GO, Weir, JP, Cramer, JT, Coburn, JW,. Mielke, M. (2007). Efeitos de dois dias de treinamento isocinético na força e amplitude eletromiográfica nos músculos agonistas e antagonistas. Journal of Strength and Conditioning Research, 21 (3), 757-762. doi: 10.1519 / r-20536.1

Bickel, CS, Slade, J., Mahoney, E., Haddad, F., Dudley, GA e Adams, GR (2005). Curso de tempo de respostas moleculares do músculo esquelético humano a crises agudas de exercício resistido. Jornal de fisiologia aplicada (Bethesda, MD: 1985), 98 (2), 482-488. doi: 10.1152 / japplphysiol.00895.2004

Brill, P., Macera, C., Davis, D., Blair, S. e Gordon, N. (2000). Força muscular e função física. Medicina e Ciência no Esporte e Exercício, 32, 412-416.

Brown, L. e Whitehurst, M. (2003). O efeito do treinamento isocinético de curto prazo na força e no ritmo de desenvolvimento da velocidade. Journal of Strength and Conditioning Research, 17 (1), 88-94.

Burke, DG, Pelham, TW, & Holt, LE (1999). A influência de resistência variada e velocidade de contrações antagonistas concêntricas em esforços agonísticos concêntricos subseqüentes. Journal of Strength and Conditioning Research, 13 (3), 193-197.

Carregaro, RL, Gentil, P., Brown, LE, Pinto, RS, & Bottaro, M. (2011). Efeitos da pré-carga de antagonistas no desempenho muscular isocinético dos extensores de joelho. Journal of sports sciences, 29 (3), 271-278. doi: 10.1080 / 02640414.2010.529455

Coburn, JW, Housh, TJ, Malek, MH, Weir, JP, Cramer, JT, Beck, TW, e Johnson, GO (2006). Respostas neuromusculares a três dias de treinamento isocinético específico da velocidade. Journal of Strength and Conditioning Research, 20 (4), 892-898. doi: 10.1519 / r-18745.1

Costill, D., Wilmore, D. e Kenney, W. (2012). Fisiologia do esporte e exercício (6ª ed.): Cinética Humana.

Cunha, R., Carregaro, RL, Martorelli, A., Vieira, A., Oliveira, AB, & Bottaro, M. (2013). Efeitos do treinamento isocinético a curto prazo com ações musculares agonistas e antagonistas de extensores recíprocos do joelho: um estudo controlado e randomizado. Revista Brasileira de Fisioterapia, 17 (2), 137-145. doi: 10.1590 / s1413-35552012005000077

David, P., Mora, I., & Perot, C. (2008). A eficiência neuromuscular do músculo reto abdominal difere do gênero e da prática esportiva. Journal of Strength and Conditioning Research, 22 (6), 1855-1861. doi: 10.1519 / JSC.0b013e31817bd529

De Luca, CJ (1984). Manifestações mioelétricas de fadiga muscular localizada em humanos. Revisões críticas em engenharia biomédica, 11 (4), 251-279.

Deschenes, M., Giles, J., McCoy, R., Volek, J., Gomez, A., e Kraemer, W. (2002). Fatores neuronais são responsáveis --

Endereço: https://revistas.rcaap.pt/motricidade/article/view/14094

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.