Empoderamento e Relações de Poder: a Cobertura Feminista da Copa do Mundo da Rússia Pelo Projeto Dibradoras

Por: Carolina Firmino.

FuLia - v.4 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

A representatividade feminina no esporte ganhou espaço com a oportunidade de debatê-la no ambiente plural da internet. Em sintonia com as demandas da sociedade, também surgiram conteúdos diferentes dos portais tradicionais de esporte, com o objetivo de promover a cobertura feminista no segmento. Neste contexto, o blog dibradoras acompanhou a Copa do Mundo de Futebol Masculino (Rússia, 14 de junho a 15 de julho de 2018), apoiado na compreensão do empoderamento como o processo de questionar ideologias e relações de poder. Para identificar a natureza dos questionamentos e medir a interação positiva ou negativa com a mensagem central da notícia, aplicamos a metodologia de análise de conteúdo em duas etapas. Definimos as categorias “posicionamento”, “gênero em profundidade” e “empoderamento” para classificar os títulos dos 20 textos que formaram o corpus. Posteriormente, analisamos o total de 214 comentários, que foram em sua maioria negativos e emitidos por homens.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAUER, Martin W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: Bauer, Martin W.; Gaskell, George (org). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2008, p.189-217.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2012.

GOELLNER, Silvana. Mulheres e esporte: sobre conquistas e desafios. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, v. 2, n. 4, 2012.

GOELLNER, Silvana. Mulher e esporte no Brasil: Entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a prática, v. 8, n. 1, 85-100, 2005.

LEÓN, Magdalena. El empoderamiento en la teoría y práctica del feminismo. In: LÉON, Magdalena. (Org). Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: Tercer Mundo Editores – Universidad Nacional de Colombia, 2005, p. 25-45.

NEVES, Sofia; NOGUEIRA, Conceição. A psicologia feminista e a violência contra as mulheres na intimidade: a (re)construção dos espaços terapêuticos. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 43-64, 2003.

SARDENBERG, Cecilia. Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista?. In: COSTA, Ana Alice Alcântara; SARDENBERG, Cecilia. (Org). Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, 2002, p. 89-120.

WENSING, E. H.; BRUCE, T.; POPE, C. Playing to win or trying your best: Media representations of national anxieties over the role of sport participation during the 2002 Commonwealth Games. Waikato Journal of Education, n.10, 2004, p. 203–219. Disponível em: http://bit.ly/30iedwr. Acesso em: 13 maio 2019.

Endereço: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/15358

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.