Enfrentamento de Estressores no Trabalho e Envelhecimento Bem-sucedido

Por: .

A Terceira Idade - n.39 - 2007

Send to Kindle


Resumo

A estrutura etária da população brasileira vem mudando e uma das características mais marcantes dessa mudança é o aumento do número de adultos mais velhos e de idosos, que permanecem trabalhando. Um dos fatores que têm grande influência sobre o modo como as pessoas envelhecem são as crenças em sua capacidade de lidar com a própria vida (crenças de auto-eficácia), incluindo os estressores do trabalho (BANDURA, 1977,1997). As crenças de auto-eficácia têm efeito mediador em relação ao enfrentamento do estresse. Quanto maior a eficácia percebida, maior a capacidade de controlar estressores, menor a ansiedade, a insatisfação e o absenteísmo. Quanto mais experiente o trabalhador, maior sua auto-eficácia percebida. As habilidades de enfrentamento proativo podem ser aprendidas por meio da combinação dos métodos psicodramático e da análise bioenergética. São descritas quatro etapas para o desenvolvimento de tais habilidades em grupos de trabalho: 1. Aquecimento corporal; 2. Reconhecimento dos temas protagônicos e conflitos grupais que atuam como estressores; 3. Reconhecimento de alternativas para se lidar com os estressores; e 4. Estabelecimento de compromissos com as lideranças organizacionais, visando às ações estratégicas e preventivas para controle dos estressores. Enfrentar os estressores do ambiente de trabalho pode contribuir para um envelhecimento bem-sucedido. PALAVRAS-CHAVE: envelhecimento bem-sucedido, auto-eficácia, enfrentamento, método psicodramático, análise bioenergética por ARLETE PORTELLA FONTES e ANITA LIBERALESSO NERI

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.