Envolvimento Esportivo e Escolar: Percepções de Alunos-atletas do Programa Basquetebol Para Todos

Por: Alexandra Folle, Gilberto Vaz, Larissa Fernanda Porto Maciel, Paulo Henrique Xavier de Souza e .

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo quantitativo e descritivo foi analisar o envolvimento esportivo e escolar sob a perspectiva de alunos-atletas do Programa Basquetebol Para Todos. A coleta das informações foi realizada com 80 alunos-atletas por meio de questionário. Os dados foram analisados por intermédio de recursos estatísticos descritivos (frequência simples e percentual) e inferenciais (teste Qui-quadrado ou teste Exato de Disher), com auxílio do software SPSS (versão 21). Na percepção dos alunos-atletas, o envolvimento esportivo em termos competitivos não modifica o tempo dedicado aos estudos, bem como as demandas escolares não alteram a presença nos treinos, sugerindo que quanto maior o tempo destinado aos treinos esportivos, maior o tempo dedicado aos estudos extracurriculares. Além disso, constatou-se a predominância de comunicação entre pais e treinadores com relação ao desempenho esportivo e escolar dos alunos-atletas, além de ambos incentivarem jogadores e filhos a se tornarem atletas de alto rendimento. Relativamente às estratégias de estudos fora da sala de aula, evidenciou-se que as crianças preferem estudar individualmente e com antecedência para as atividades escolares. Os principais benefícios percebidos para os estudos, advindos do envolvimento esportivo são a concentração, o compromisso e a redução do estresse, enquanto as influências negativas não foram destacadas. Conclui-se que a produção de evidências a este respeito auxiliará na participação em práticas esportivas articuladas com o desenvolvimento integral da criança, inclusive a escolar, com o intuito de disponibilizar informações para pais e treinadores sobre o nível de cobrança por eles implementado em relação ao envolvimento esportivo e escolar na percepção das crianças envolvidas.Referências 1. Guedes DP. Educação para a saúde mediante programas de Educação Física escolar. Motriz. 1999; 5: 1-6. MACIEL et al. R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):92-103. 102 2. Correia CAJ. Entre a Profissionalização e a Escolarização: projetos e campo de possibilidades em jovens atletas do Colégio Vasco da Gama, 7-258. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Faculdade de Educação da UFRJ; 2014. 3. Azevedo MF, Santos W, Costa FR, Soares AJG. Formação escolar e formação esportiva: caminhos apresentados pela produção acadêmica. Movimento. 2017; 23: 185-200. 4. Tubino MJG. Dimensões sociais do esporte. São Paulo (SP): Cortez; 2001. 5. Soares JAP, Aranha ACM, Antunes HRL. Relação entre os setores de prática desportiva, as modalidades desportivas e o aproveitamento escolar. Motricidade. 2013; 9: 3-11. 6. Pérez PA, Álvarez AH, Aguilar DL. Análisis de la compleja relación entre los estudios universitarios y la prática deportiva de alto rendimento. Rev Educ Sup. 2014; 1: 69-87. 7. Trudeau F, Shephard RJ. Physical education, school physical activity, school sports and academic performance. Int J Behav Nutr Phys Act. 2008; 5: 1-12. 8. Lindner KJ. Sport Participation and Perceived Academic Performance of School Children and Youth. Pediatr Exerc Sci. 1999; 11: 129-143. 9. Frade ICZS. A influência da prática desportiva extracurricular nos resultados escolares, 11-88. [Dissertação de Mestrado]. Portimão: Faculdade de Educação Física e Desporto da ULHT; 2012. 10. Oliveira AR. A influência do esporte no rendimento escolar na opinião de alunos e professores da escola estadual Cora Coralina da cidade de Ariquemes-RO, 10-50. [Monografia de Graduação]. Ariquemes: Faculdade de Educação Física da UNB; 2012. 11. Peserico CS, Kravchychyn C, Oliveira AAB. Análise da relação entre esporte e desempenho escolar: um estudo de caso. Pensar Prát. 2015; 18: 260-277. 12. Soares JAP, Antunes HRL, Aguiar CFS. Prática desportiva e sucesso escolar de moças e rapazes no ensino secundário. Rev Bras Ciênc Esporte. 2015; 31: 20-28. 13. Costa AFS. Prática desportiva e rendimento académico: um estudo com alunos do ensino secundário, 3-33. [Dissertação de Mestrado]. Coimbra: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; 2007. 14. Zenha V, Resende R, Gomes AR. Desporto de alto rendimento e sucesso escolar: análise e estudo de factores influentes no seu êxito. In: Fernández J, Torres G, Montero A, organizador. II Congresso Internacional de Deportes de equipo. Corunha (ESP): Editorial y Centro de Formación Alto Rendimient; 2009. p. 1-10. 15. Esperança JM, Regueiras ML, Brustad RJ, Fonseca AM. Um olhar sobre o desenvolvimento positivo dos jovens através do desporto. Rev Psicol Deport. 2013; 22: 481-487. 16. Rizzo DS, Ferreira AML, Souza WC. Desenvolvimento positivo dos jovens (DPJ) através do esporte: perspectivas em países da língua portuguesa. Conexões. 2014; 12: 106-120. 17. Koh KT, Camiré M. Strategies for the Development of Life Skills and Values through Sport Programmes: Review and Recommendations. In: Leng HK, Hsu NY. Emerging trends and innovation in sports marketing in Asia. Hershey: Business Science Reference; 2015. 18. Cortês-Neto ED, Alchieri JC, Miranda HF, Cavalcanti-Dantas F. Elaboração de indicadores de sucesso em programas de saúde pública com foco sócio-esportivo. Rev Argent Salud Pública. 2010; 12: 208-219. 19. Machado PX, Cassepp-Borges V, Déll-Aglio DD . O impacto de um projeto de educação pelo esporte no desenvolvimento infantil. Rev Bras Psicol Esc Educ. 2007; 11: 129-143. 20. Viveiros L, Moreira A, Bishop D, Aoki MS. Ciência do Esporte no Brasil: reflexões sobre o desenvolvimento das pesquisas, o cenário atual e as perspectivas futuras. Rev Bras Educ Fís Esp. 2015; 29: 163-175. 21. Günther H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicol Teor Pesqui. 2006; 22: 201- 210. 22. Cefid. Programa Basquetebol Para Todos. Florianópolis (SC): Cefid; 2015. 23. Coakley J. Youth Sports: What Counts as "Positive Development?" J Sport Soc Issues. 2011; 35: 1-19. 24. Côté J, Lidor R, Hackfort D. To sample or to specialize? Seven postulates about youth sport activities that lead to continued participation and elite performance. Int J Sport and Exerc Psychol. 2009; 7: 7-17. 25. Weineck J. Treinamento Ideal. São Paulo (SP): Manole; 1999. 26. Marques A, Oliveira J. O treino dos jovens desportistas. Actualização de alguns temas que fazem a agenda do debate sobre a preparação dos mais jovens. Rev Portug Ciênc Desport. 2001; 1: 130-137. 103 Envolvimento esportivo e escolar R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):92-103. 27. Hemery D. Sporting excellence: a study of sport’s highest achievers. London: Willow Books; 1986. 28. Vieira LF. O processo de desenvolvimento de talentos paranaenses do atletismo: um estudo orientado pela teoria dos sistemas ecológicos, 10-181. [Tese de Doutorado]. Santa Maria: Centro de Educação Física e Esportes da UFSM ; 1999. 29. Almeida LTP. Iniciação esportiva na escola: a aprendizagem dos esportes coletivos. Perspect Educ Fís Esc. [periódico na internet]. 1996; Especial. Disponível em: http://www.uff.br/gef/tadeu_esp.htm/ [2017 ago 18]. 30. Ramos AM, Neves RLR. A iniciação esportiva e a especialização precoce à luz da teoria da complexidade: notas introdutórias. Pensar Prát. 2008; 11: 1-8. 31. Lobo R, Batista M, Delgado CS. Prática de atividade física como fator potenciador de variáveis psicológicas e rendimento escolar de alunos do ensino primário. Rev Ibero Psic Ejerc Deport. 2015; 10: 85-93. 32. Bastos F, Reis MV, Aranha AC, Garido ND. Relação entre atividade física e desportiva, níveis de IMC, percepções de sucesso e rendimento escolar. Motricidade. 2015; 11: 41-58. 33. Nunes TJS. Relação entre a prática desportiva extracurricular e o (in)sucesso escolar, 13-43. [Dissertação de Mestrado]. Vila Real: Centro de Investigação de Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano da UTAD; 2013. 34. Valle MP. Atletas de alto rendimento: identidades em construção, 9-90. [Dissertação de Mestrado]. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS; 2003. 35. Gomes AC. Treinamento Desportivo: Princípios, meios e métodos. Londrina (PR): Treinamento Desportivo; 1999. 36. Gallahue DL. Developmental physical education for today´s children. WCB: McGraw-Hill; 1996. 37. Hellstedt JC. Early adolescent perceptions of parental pressure in the sport environment. J Sport Behav. 1990; 13: 135-144. 38. Carratalà V, Gutiérrez M, Guzmán JF, Pablos C. Percepción del entorno deportivo juvenil por deportistas, padres, entrenadores y gestores. Rev Psicol Deport. 2011; 20: 337-352. 39. Neto C. Atividade física e as culturas de vida cotidiana de crianças e jovens. Rev Ed Fís Desport. 1997; 13: 29-38. 40. Matioli AS, França CMS. Projeto “estudos orientados”: uma parceria entre a psicologia e a pedagogia na rede Federal de educação tecnológica. In: Congresso Internacional de Psicologia da UEM. Maringá: Psicologia e Direitos Humanos: Formação, Atuação e Compromisso Social; 2015. 41. Soltz DF. Athletics and academic achievement: What is the relationship? NASSP Bulletin. 1986; 70: 20-24. 42. JacAngelo NP. The relation of sports participation to academic performance of high school students. Ann Arbor. 2003; 1: 92. 43. Simão R. A Relação entre actividades extracurriculares e o desempenho académico, motivação, autoconceito, e auto-estima dos alunos. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada de Portugal; 2005. 44. Lipscomb S. Secondary school extracurricular involvement and academic achievement: a fixed effects approach. Econ Educ Rev. 2007; 26: 463-472. 45. Jeziorski RM. The importance of school sports in American education and socialization. Lanham: University Press of America; 1994. 46. Carvalhinho C. A influência da prática desportiva na melhoria do rendimento escolar nos alunos do 2º, 3º ciclo do colégio São Martinho do Bispo, 6-35. [Dissertação de Mestrado]. Coimbra: Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra; 2013. 47. Batista M, Cubo S. A prática de judô em relação com o autoconceito, a auto-estima e o rendimento escolar de alunos do primeiro ciclo do ensino básico. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013; 9: 193-210. 48. Simões AC, Böhme MTS, Lucato S. A participação dos pais na vida esportiva dos filhos. Rev Paul Educ Fís. 1999; 13: 34-45

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/7776

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.