Epidemiologia do Futebol Recreativo no Brasil: Prevalência e Associação com Fatores de Risco Para Doenças Crônicas e Autopercepção de Saúde em Adultos

Por: , Jonathan Charles Kingdon Wells, e .

Motriz - v.19 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi descrever caracteristicas sociais e de saúde de adultos praticantes de futebol no Brasil. Este foi um estudo transversal que usou dados do Sistema VIGITEL. Em 2006 foram realizadas 54.369 entrevistas. Os indivíduos foram classificados em três grupos: inativos no lazer; praticantes de futebol recreacional: uma/duas vezes por semana ou três ou mais vezes por semana. Foi realizada análise descritiva e modelos de regressão logística. Os praticantes de futebol eram predominantemente jovens e com baixos níveis de escolaridade. A região sudeste teve a maior proporção de praticantes. A maioria praticava uma ou duas vezes por semana (75,9%), por 60 minutos ou mais por dia (87,7%) e usava espaços públicos (94,2%). Os praticantes de futebol tiveram baixa prevalência de obesidade e relato de saúde ruim comparados com os inativos. A prática de futebol contribui para a saúde e bem-estar, independente da frequência semanal de prática

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/5155

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.