Escalada Esportiva no Brasil: o Retrato dos Atletas Profissionais e Amadores

Por: , Diogo Henrique Lima Prado, Marcos Vinicius Nascimento Almeida e Roberto Dinato Casanova.

Arquivos em Movimento - v.15 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

A escalada será modalidade de demonstração nos Jogos Olímpicos de 2020 e o interesse pelo esporte aumentou no Brasil. A história recente da construção de paredes de escalada e de competições remete à carência de informações que deem suporte à preparação de atletas, sendo necessário investigar o perfil dos competidores brasileiros. O objetivo da pesquisa foi demonstrar as características dos atletas da escalada para que se possa inferir sobre como deve ser o treinamento. Aplicou-se um questionário em 81 atletas, sendo 47 na categoria profissional e 34 atletas na categoria amador, participantes do Campeonato Brasileiro de Boulder de 2018, em São Paulo. Após análise dos resultados, verificou-se que os atletas se concentram nas regiões Sul e Sudeste.  O tempo de prática é decisivo na busca de resultados. O baixo IMC demonstra a luta para vencer a força da gravidade. Os atletas fazem treinos aeróbios, musculação, alongamento, entre outros, para melhorar seu desempenho e verifica-se cada vez mais atletas buscando o acompanhamento de treinador para atingir melhores resultados. Os treinadores são procurados por sua experiência na prática da escalada, mas não pela formação acadêmica e, por fim, a maioria dos atletas não tem patrocínio. Conclui-se que o Brasil deve evoluir na organização da escalada esportiva, difundindo a prática em outras regiões, preparando profissionais com conhecimento teórico-prático e fomentando financeiramente os atletas. 

Referências

ABEE (Associação Brasileira de Escalada Esportiva). Time brasileiro estará presente em Vail. 31 de maio de 2018. Disponível em: Acesso em: 14 de julho de 2018.

ALBUQUERQUE, Maicon Rodrigues; COSTA, Varley Teoldo; SAMULSKI, Dietmar Martins; NOCE, Franco. Avaliação do perfil motivacional dos atletas de alto rendimento do taekwondo brasileiro. Revista Iberoamericana de Psicologia del Ejercicio y el Deporte. V. 3, n. 1, p. 77 – 96, 2008.

BERTUZZI, Romulo de Cassia Moraes; GAGLIARDI, João Fernando L.; FRANCHINI, Emerson; KISS, Maria Augusta Peduti Dal’Molin. Características antropométricas e desempenho motor de escaladores esportivos brasileiros de elite e intermediários que praticam predominantemente a modalidade indoor. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 9, n. 1, p. 7 – 12, jan. 2001.

BERTUZZI, Romulo C. Moraes; PIRES, Flavio de O.; LIMA-SILVA, Adriano E.; GAGLIARDI, João Fernando L.; OLIVERIA, Fernando R. Fatores Determinantes do Desempenho na Escalada Esportiva: Umas das Contribuições da Professora Maria Augusta Kiss para o Desenvolvimento das Ciências do Esporte no Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v.17, n.2, p.84-87, 2011.

BILLAT, V.; PALLEJA, P.; CHARLAIX, T.; RIZZARD, P.; JANEL, N. Energy specificity of rock climbing and aerobic capacity in competitive sport rock climbers. Journal Sports Medicine Physiology Fitness. v. 35, p. 20 – 24,1995.

BRASIL. Comitê olímpico anuncia cinco novas modalidades para os Jogos de Tóquio. 8 de agosto de 2016. Disponível em: Acesso em 13 de julho de 2018.

CASAGRANDE, Pedro O.; ANDRADE, Alexandro; VIANA, Maick da Silveira; VASCONCELLOS, Diego I. C. Burnout em tenistas brasileiros infanto-juvenis. Motricidade. v. 10, n. 2, jun. 2014.

GUIMARÃES, Patricia dos Santos. Utilização do modelo de velocidade crítica na escalada esportiva. 82 f. Dissertação de Mestrado. Programa de Ciências da Nutrição Esporte e Metabolismo. Universidade Estadual de Campinas. Limeira - SP, 2017.

ILHA, André. Paulo Macaco. Entrevista 12 de abril de 2010. Disponível em: Acesso em 14/07/2018.

KELLER, Birgit. Estudo comparativo dos níveis de cortisol salivar e estresse em atletas de luta olímpica de alto rendimento. 52 f. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação Física. Universidade Federal do Paraná. Curitiba – PR. 2006.

NUNOMURA, Myriam; PIRES, Fernanda Regina; CARRARA, Paulo. Análise do treinamento na ginástica artística brasileira. Revista Brasileira Ciências do Esporte, Campinas, v. 31, n. 1, p. 25 - 40, set. 2009.

PEREIRA, Dimitri Wuo. Um olhar sobre a complexidade da escalada na educação física, na perspectiva de Edgar Morin. 141 f. Dissertação de Mestrado. Programa de Stricto Sensu em Educação Física. Universidade São Judas Tadeu, São Paulo - SP, 2010.

PEREIRA, Dimitri Wuo; NISTA-PICCOLO, Vilma Leni. Escalada, uma ascensão à transcendência. Arquivos em Movimento. v. 7, n. 2, jul./dez. 2011.

PORTELA, Andrey. A influência da fadiga no tempo de reação de praticantes de escalada em rocha. 147 f. Dissertação de Mestrado. Ciências do Movimento Humano. Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis – SC, 2009.

SCOLARIS, Marco Maria. Letter from the President. International Federation of Sport Climbing. 21 de abril de 2017. Disponível em: Acesso em 13 de julho de 2018.

SILVA, Gustavo Anselmo; FERREIRA, Rodrigo de Paula; NAVARRO, Francisco; SANTOS, Christiano Francisco. Suplementação de carboidrato não influencia na diminuição da perda de força na escalada indoor. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.1, n.3, p.51-64, Mai./Jun. 2007.

SODRÉ, João Guilherme Hiroshi Higa; GUIOTI, Tiago Del Tedesco; LEONARDI, Thiago José; GALATTI, Larissa Rafaela. Caracterização do perfil dos praticantes de Slackline no Brasil. Journal of Sport Pedagogy and Research. v. 3, n. 1, p. 4 - 12, 2017.

THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack K. Métodos de pesquisa em atividade física. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

THOMASZEWSKI, Pawel; GRAJEWSKI, Jan; LEWANDOWSKA, Joanna. Somatic profile of competitive sport climbers. Journal of Human Kinectics. v. 29, p. 107 – 113, 2011.

WATTS, P.B.; MARTIN, D.T.; DURTSCHI, S. Anthropometric profiles of elite male and female competitive rock climbers. Journal Sports Science. v. 11, p. 113 - 117, 1993.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/21563

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.