Escalas de Borg e Omini na Prescrição de Exercício em Cicloergômetro.

Por: André Calil e Silva, Humberto Miranda, , , Marcelo Ricardo Cabral Dias, Maurício Bara Filho, Robert James Robertson e Vinicius Oliveira Damasceno.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.13 - n.2 - 2011

Send to Kindle


Resumo

As escalas de percepção de esforço de Borg e OMNI são amplamente validadas para identificação da intensidade do exercício. O estudo teve como objetivo testar a correspondência entre as categorias das Escalas de Borg (6-20) e OMNI-Ciclismo na prescrição de exercícios em cicloergômetro e propor uma nova tabela de conversão entre as escalas. Vinte seis homens (17-41 anos de idade), praticantes de Ciclismo Indoor, pedalaram por 3 minutos, em 6 cargas auto selecionadas correspondentes às categorias de percepção de esforço 9, 11, 13, 15, 17, 19 para Borg, em uma sessão e 2, 4, 5, 7, 8 e 10 para OMNI, em outra sessão. Ao final de cada estágio, a frequência cardíaca (FC) e a potência (W) foram registradas. Calculou-se a correlação de Pearson entre as escalas. A correspondência entre as categorias das escalas foi testada pela ANOVA para medidas repetidas, seguida do teste de Tuckey (p < 0,05). Foi encontrada alta correlação entre as duas escalas (r = 0,87; P < 0,05) e diferença significativa na FC para as três primeiras categorias. Quanto a W, encontrou-se diferença significativa apenas nas duas primeiras categorias. A conversão testada mostrou correlação significante. Entretanto, há diferenças significantes na FC para as três primeiras categorias e na W para as duas primeiras. A seguinte correspondência foi proposta: Borg 11, 13, 15, 17 e 19; para OMNI 2, 4, 7, 8 e 10.


 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2011v13n2p117

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.