Esporte de Rendimento X Educação Física Escolar: Dá Jogo? O Problema

Por: .

Educação Física Escolar e Esporte de Alto Rendimento: Dá Jogo?.

Send to Kindle


Resumo

Desde muitos anos tenho ouvido que é na escola que o atleta começa sua carreira. Pode até ser verdade para alguns. Lembro-me de um depoimento da Hortência, deusa de nosso basquetebol, em que ela dizia ter começado jogando handebol antes de aprender a “jumpear” como ninguém, agradecendo a uma sua professora de educação física por ter lhe mostrado um maravilhoso caminho. Entre meus colegas de colégio, tive um, conhecido como Miral, que chegou a jogar na seleção brasileira e ser campeão mundial do então futebol de salão. Eu mesmo cheguei a jogar handebol como federado em tempos de categoria juvenil, o máximo que consegui chegar perto do alto rendimento, e comecei a disputar meus primeiros lances na escola, ao contrário da Hortência, primeiro com o basquetebol. Não sei como ela subiu à condição de atleta de alta performance, mas eu e o Miral fomos atrás por nossa conta e risco, enfrentando processos seletivos variados e altamente subjetivos, que não levavam em consideração nossa pequena história esportiva escolar.

Hoje, professor em cursos de licenciatura e bacharelado em Educação física, vejo muitos alunos que optaram por essa formação para os quais, muitas vezes, não consigo encontrar um motivo determinante dessa opção que faça um certo sentido para mim. Quando indagados a respeito, ficam, em grande número, em silêncio. Quanto à educação física que viveram na educação básica, alguns se referem a jogos informais de futebol (é assim que se referem ao que poderia, grosseiramente, ser comparado ao futsal) ou voleibol. Raramente falam de handebol ou basquetebol. Quanto a outros conteúdos, como lutas, atletismo ou dança, a vivência, quando houve, quase invariavelmente foi fora da escola.

Referências

BARBANTI, V. O que é esporte? Revista brasileira de atividade física & saúde, v. 11, n. 1, 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 de jul. 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

MAUSS, M. As Técnicas Corporais. In: Marcel Mauss, Sociologia e Antropologia, v.2. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2006.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. Vidas de professores. Porto, Portugal: Porto, 2007.

PAES, R.R. Educação física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino fundamental. Tese de doutorado. Campinas, Unicamp: Programa de Pós-Graduação em Educação, 1996.

REMONTE, J.G. A educação física tradicional sofre, mas ainda vive. Acta Scientiarum. Education. Maringá, v.36, n.1, p.145-151, Jan.-June, 2014.

Sousa, E.S. de; Altmann, H. Meninos e meninas: Expectativas corporais e implicações na educação física escolar. Campinas, Unicamp: Cadernos Cedes, ano XIX, n.48, Agosto/99.

VELOSO, C. Sampa. In: Muito (Dentro da Estrela Azulada). Rio de Janeiro: Polygram, 1978. Faixa 7.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.