Esporte e Idosos: Jogar, Competir e Viver

Por: e Simone Maria Castellano.

Motricidades - v.1 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo é relacionar o fenômeno esportivo com o idoso a partir das possibilidades de conceitos e da vivência em esportes. A coleta de dados foi realizada com 37 idosos, integrantes de uma equipe representativa de uma cidade do interior de São Paulo nos Jogos Regionais do Idoso (JORI), os quais responderam a um questionário. A análise dos dados foi através da Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significado. Os dados revelaram que os idosos estão na equipe num período entre um e oito anos e as razões de participar estão atreladas: à amizade e ao companheirismo, à saúde, ao preparo físico, a sentir-se bem, gostar da prática de esportes, trocar experiências, conhecer novas cidades. Estes resultados mostram a necessidade de a Educação Física proporcionar, na forma adequada, a prática de esportes para essa faixa etária.

Referências

ALENCAR, R. S. Ensinar a viver, ensinar a envelhecer: desafios para a educação de idosos. Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento, v. 4, p. 61-83, 2002.

BENTO, J. O. Desporto: discurso e substância. Porto: Campo das Letras, 2004.

BERQUÓ, E. S. Considerações sobre o envelhecimento da população no Brasil. In: NERI, A. L. Velhice e sociedade. Campinas: Papirus, 1999. p. 57-76.

CAPITANINI, M. E. S. Solidão na velhice, realidade ou mito? In: NERI, A. L.; FREIRE, S. A. E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus, 2000. p. 69-80.

COSTA, N. E.; MENDONÇA, J. M.; ABIGALIL, A. Políticas de assistência ao idoso: a construção da política nacional da atenção à pessoa idosa no Brasil. In: FREITAS, E. V.; PY, L.; NERI, A. L.; CANÇADO, F. A.; GORZONI, M.; ROCHA, S. M. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. p. 153-180.

DÉA, V. H. S. D.; DUARTE, E.; REBELATTO, J. R.; PAIVA, A. C. Influência de um programa de atividades físicas de longa duração sobre sintomas depressivos em idosas. Pensar a Prática, v. 12, n. 3, p. 1-10, 2009.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice. São Paulo: Edusp, 1999.

DIAS, M. C.; MATSUDO, S. M.; CONTI, M. A.; MATSUDO, V. R. Percepção da influência da atividade física na vida de mulheres acima de 60 anos de idade: o que o discurso revela? Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 15, n. 3, p. 87-94, 2007.

EGITO, M.; MATSUDO, S.; MATSUDO, V. Autoestima e satisfação com a vida de mulheres adultas praticantes de atividade física de acordo com a idade cronológica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 13, n. 2, p. 7-15, 2005.

EIRAS, S. B.; SILVA, W. H. A.; SOUZA, D. L.; VENDRUSCOLO, R. Fatores de adesão e manutenção da prática de atividade física por parte de idosos. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 31, n. 2, p. 75-89, 2010.

FREIRE J. B. Esporte educacional. In: CONGRESSO LATINO AMERICANO DE EDUCAÇÃO MOTORA, 1., 1998, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu, 1998. p. 106-108.

FREITAS, C. M. S. M.; SANTIAGO, M. S.; VIANA, A. T.; LEÃO, A. C.; FREYRE, C. Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos a programas de exercícios físicos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 9, n. 1, p. 92-100, 2007.

GARCIA, R. P. O idoso entre a ciência e a poesia. In: LEBRE, E.; BENTO, J. O. Professor de Educação Física: ofícios da profissão. Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física/Universidade do Porto, 2004. p. 189-212

GOMES, K. V.; ZAZÁ, D. C. Motivos de adesão a prática de atividade física em idosas. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 14, n. 2, p. 132-138, 2009.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/população/censo2010/resultados >. Acesso em: 6 jul. 2017.

KREBS, R. J. Esporte, meio ambiente e qualidade de vida: um emprego mediado pela perspectiva ecológica. In: MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R. Esporte como fator de qualidade de vida. Piracicaba: Unimep, 2002. p. 17-24.

MAZO, G. Z.; CARDOSO, F. L.; AGUIAR, D. L. Programa de hidroginástica para idosos: motivação, autoestima e autoimagem. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 8, n. 2, p. 67-72, 2006.

MELO, L. A.; FERREIRA, L. M. B. M. F.; SANTOS, M. M. S.; LIMA, K. C. L. Fatores socioeconômicos, demográficos e regionais associados ao envelhecimento populacional. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 20, n. 4, p. 463-474, 2017.

MEURER, S. T.; BENEDETTI, T. R. B.; MAZO, G. Z. Aspectos da autoimagem e autoestima de idosos. Motriz, v. 15, n. 4, p. 788-796, 2009.

MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R.; PORTO, E. Análise de conteúdo: técnica de elaboração e análise de unidades de significado. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 13, n. 4, p. 107-114, 2005.

MORIN, E. Sociologia: a sociologia do micro social ao macro planetário. Lisboa: Europa América, 1998.

MOTA, J.; CARVALHO, J. A qualidade de vida do idoso: o papel mediador da atividade física e desportiva. In: GO, T.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. Pedagogia do desporto. São Paulo: Guanabara Koogan, 2006. p. 132-141.

NERI, A. L. Qualidade de vida no adulto maduro: interpretações teóricas e evidências de pesquisa In: NERI, A. L. Qualidade de vida e idade madura. Campinas: Papirus, 1993. p. 9-55.

PEREIRA, J. R. P.; OKUMA, S. O perfil dos ingressantes de um programa de educação física para idosos e os motivos da adesão inicial. Revista Brasileira de Educação Física e Esportes, v. 23, n. 4, p. 319-34, 2009.

PEREZ, A. S.; ZIMERER, C.; SILVA, R. S. Efeitos de um programa de exercícios aquáticos na atividade de vida diária de idosos portadores de transtornos motores. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.17, n. 2, p. 1-22, 2009.

ROSA, C. M. Silêncio, exclusão e morte: o trabalho do negativo na velhice. Polêmica Revista Eletrônica, v. 13, n. 1, p. 929-944, 2014.

SILVA, G. M. L.; CAMINHA, I. O.; GOMES, I. S. O corpo e o tempo: a percepção dos idosos de um grupo de convivência. Pensar a Prática, v. 16, n. 4, p. 956-1270, 2013.

TEVES, N. F. Qualidade de vida, meio ambiente e esporte: focos de complexidade. In: MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R. Esporte como fator de qualidade de vida.Piracicaba: Unimep, 2002. p. 37-51.

TRIBESS, S.; VIRTUOSO JUNIOR, J. S.; PETROSKI, E. L. Estado nutricional e percepção da imagem corporal de mulheres idosas residentes no nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 1, p. 31-38, 2010.

UCHOA, E., FIRMO-COSTA, J. O. A.; LIMA-COSTA, M. F. Envelhecimento e saúde: experiência e construção cultural. In: MINAYO, M. C. S.; COIMBRA JUNIOR, C. E. Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002. p. 85-103.

VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 548-554, 2009.

VITTA, A. Atividade física e bem-estar na velhice. In: NERI, A. L.; FREIRA, S. A. E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus, 2000. p. 107-135.

Endereço: http://www.motricidades.org/journal/index.php/journal/article/view/2594-6463.2017.v1.n1.p29-41

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.