Esporte Universitário: Percepção de Atletas Sobre os Modelos Brasileiro e Canadense

Por: Eduardo Borba Neves, Leandro Lima Silva, Maria Juliana Robalinho, Rodolfo Alkmim Nunes e Rodrigo Gomes de Souza Vale.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.87 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Introdução: Introdução: O esporte universitário tem um papel muito importante no cenário esportivo mundial. No Canadá, o esporte universitário teve início há poucos anos e já vem colhendo frutos no esporte profissional. Embora, no Brasil, o modelo de esporte universitário apresente semelhanças, porém não tem exibido sucesso.

Objetivo: Comparar a situação atual do esporte universitário no Brasil e no Canadá, por meio da percepção de jovens que tiveram a experiência de participar do esporte universitário em ambos os países.

Métodos: Quatorze alunos que tiveram a oportunidade de vivenciar o esporte universitário em ambos os países (Brasil e Canadá). Foi elaborado um questionário estruturado, este aplicado duas vezes, sendo uma para cada país. As perguntas foram segmentadas nas dimensões: logística de treinamento, dimensões estruturais, dimensões de jogo, dimensões organizacionais e dimensões gerais. O índice de confiabilidade do instrumento foi verificado através do coeficiente alfa de Cronbach. Foi utilizado o teste de Wilcoxon para verificar diferença estatística significativa entre os questionários.

Resultados: As respostas dos alunos às assertivas que compuseram o questionário sobre o esporte universitário apresentam caráter mais negativo para o Brasil alcançando um total de escore de 30,93 contra 76,64 do Canadá. Neste último país, em todas as dimensões os escores exibidos foram superiores aos reportados pelos atletas em relação ao Brasil. A diferença em relação ao esporte universitário dos países foi estatisticamente significativa (p<0,05).

Conclusão: Concluiu-se que as faculdades no Canadá apresentam um modelo de estrutura de esporte universitário mais favorável ao desenvolvimento do esporte de alto rendimento no país, possuindo departamento esportivo, voltado diretamente para os times universitários, área acadêmica e área esportiva trabalhando em conjunto. Tal estrutura falta no modelo brasileiro de esporte universitário representando obstáculo para o sucesso do esporte nacional.

University Sports: Brazilian and Canadian Models under Athletes’ Perception

Introduction: University sports play a very important role on the world sports scene. In Canada, college sports started a few years ago and have been reaping fruit in professional sports. Although in Brazil, the university sports system has similarities, but it has not shown success.

Objective: To compare the current situation of university sports in Brazil and Canada, through the perception of young people who had the experience of participating in university sports in both countries.

Methods: Fourteen students who had the opportunity to experience university sports in both countries (Brazil and Canada). A structured questionnaire was built, applied twice, once for each country. The questions were segmented into the dimensions: training logistics, structural dimensions, game dimensions, organizational dimensions and overall dimensions. The reliability index of the instrument was verified using the Cronbach alpha coefficient. The Wilcoxon test was used to verify significant statistical difference between the questionnaires.

Results: The mean age of the sample was 22.85 ± 2.63. The students' responses about university sports in the countries are more negative for Brazil, reaching a total score of 30.93 against 76.64 in Canada. Where the affirmations of the questionnaires represented positive aspects, in all dimensions the score reached in the questionnaires related to Canada was higher than the questionnaire related to Brazil. The difference in relation to the university sports of the countries was significant.

Conclusion: It is concluded that colleges in Canada have a sports department geared directly to university teams, an academic area and the sports field working together. This structure is lacking in university sports in Brazil for its success.


 

Hatzidakis G. Esporte Universitário. Internet. Disponível em: http://www.atlasesportebrasil.org.br/textos/72.pdf. Acessado em: 04 de julho de 2018. Rio de Janeiro. 2006; 1019-1021.

Sebkova H. Accreditation and quality assurance in Europe. Higher Education in Europe. 2002; 27: 239-47.

Pfister G and Radtke S. Sport, women, and leadership: Results of a project on executives in German sports organizations. European Journal of Sport Science. 2009; 9: 229-43.

Thelin J. Edwards J. History of athletics in US colleges and universities. 2015. Internet. Disponível em: http://education.stateuniversity.com/pages/1846/College-Athletics-HISTORY-ATHLETICS-IN-U-S-COLLEGES-UNIVERSITIES.html. Acessado em: 04 de julho de 2018.

Pedro MAD, Paipe G, González-García RJ and Carvalho MJ. O esporte e a eficácia organizacional: Uma revisão da literatura. Revista de Gestão e Negócios do Esporte. 2017; 2(1):64-80.

Hossein E, Ramezanineghad R, Yosefi B and Sajjadi SN. Compressive review of organizational effectiveness in sport. Choregia. 2011;7:5-21.

Vargas ALDS, Lamarca BRDC and Pinto RJDC. As diferenças entre o direito a imagem e direito de arena no contexto das leis No. 9.615/1998, 9.981/2000 e 10.672/2003 e do projeto de lei Nº 5.186/2005. Revista Internacional de Investigación en Ciencias Sociales. 2009;5:191-212.

SILVA DAS. Evolução histórica da legislação esportiva brasileira: do Estado Novo ao século XXI. Revista Brasileira de Educação Física, Esporte, Lazer e Dança. 2008;3:69-78.

Duch FF. Interface Extensão Universitária e Cultura Interdisciplinar. Dissertação (mestrado)–Universidade Braz Cubas. Programa de Pós-Graduação em Semiótica, Tecnologias de Informação e Educação. Mogi das Cruzes: UBC, 2006. 97 f, 2015.

Brasil. Lei nº 10.264, de 16 de julho de 2001. Presidência da República. Brasilia-DF.

Starepravo FA, Reis L, Mezzadri FM and Marchi W. O esporte universitário no Brasil: uma interpretação a partir da legislação esportiva. Esporte e Sociedade, ano. 2010; 5(14):1-23.

Lei Agnelo/Piva. [Online] Portal Brasil 2016. Disponível em: http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/incentivo-ao-esporte/lei-agnelo-piva. Accessado em: 04 de julho de 2018.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre, RS: ArtMed; 2007. 396 p.

Chaer G, Diniz RRP and Ribeiro EA. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Revista Evidência. 2012;7(7):251-266.

Kauark FS, Manhães FC, Medeiros CH. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Ibicaraí-BA. Via Lterattum Editora; 2010. 96p.

Júnior SDS and Costa FJ. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas de Likert e Phrase Completion. PMKT– Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia. 2014;15:1-16.

Streiner DL. Being inconsistent about consistency: When coefficient alpha does and doesn't matter. Journal of Personality Assessment. 2003;80:217-22.

CNS. Conselho Nacional de Saúde do Miistério da Saúde. Resolução n° 466/2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF. 2012.

Barbosa CG [UNESP. A gestão pública do esporte universitário brasileiro: a bola não deve entrar por acaso. Tese de Doutorado. UNESP, 2017; Available from: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/151837 Accessado em: 04 de julho de 2018.

Da Cunha Bastos F. Administração Esportiva: área de estudo, pesquisa e perspectivas no Brasil. Motrivivência. 2003: 295-306.

Starepravo FA, Reis LJ de A, Mezzadri FM, Marchi Júnior W. Esporte universitário brasileiro: uma leitura a partir de suas relações com o Estado. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. [Online] 2010;31(3): 131–148. Available from: doi:10.1590/S0101-32892010000300009.

Murata GHY [UNESP. Marketing esportivo e liderança: aspectos relevantes do esporte brasileiro. Aleph. 2013; 34 f.

Morrow D, Wamsley KB. Sport in Canada: A History. Oxford University Press; 2016. 360 p.

Silk ML, Andrews DL, Cole CL. Sport and corporate nationalisms. Berg; 2005. 314 p.

Hall MA. The Girl and the Game: A History of Women’s Sport in Canada, Second Edition. Univer

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/754

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.