Esportes Radicais no Meio Ambiente Urbano no Município de São Paulo

Por: André Batista da Silva, Camila Bianca Galindo, , Renan Oliveira de Paula e Vinicius Sampaio Feitoza dos Santos.

Caderno de Educação Física e Esporte - v.15 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

A observação de pessoas procurando praças, ruas, paredes de escalada, bancos, muros e rampas pela cidade, para se divertir e se exercitar representa um novo contexto de prática esportiva que esta pesquisa busca revelar. O objetivo deste estudo foi reconhecer os locais e atores das práticas de skate, escalada e slakline e suas motivações para a busca destas modalidades. Utilizou-se uma pesquisa descritiva exploratória com 46 sujeitos, sendo 16 escaladores, 20 skatistas e 10 slakliners, da cidade de São Paulo, que responderam um questionário desenvolvido especificamente para essas atividades. Os resultados apontaram que: Há predominância do sexo masculino entre os participantes, revelando um preconceito que ainda perdura na prática esportiva. Os escaladores têm média de idade maior do que os demais, talvez devido à necessidade de equipamentos mais caros, dos maiores riscos da prática e da necessidade de cursos para aprendizagem. Os skatistas em média praticam há mais tempo, provavelmente porque a cultura do skate é mais antiga e consolidada em São Paulo. Observa-se que no slakline todos praticam a menos de três anos mostrando que é uma modalidade ainda recente no cenário nacional. Os participantes da pesquisa afirmam ter aprendido sozinhos, ou com amigos e familiares, evidenciando-se nesse aspecto que a Educação Física não é considerada como iniciação. Os sujeitos apontam o ganho de benefícios físicos, mentais e sociais nas suas vidas e sua intenção de continuar a prática pela qualidade de vida, diversão, evolução física e psicológica. Apenas 10,8% afirmam competir, o que mostra que os esportes radicais são considerados na perspectiva da participação voluntária. Conclui-se que os esportes radicais estão sendo incorporados à rotina das pessoas, acrescentando novo contorno à cultura corporal, numa busca de superação, de enfrentamento de desafios, do controle do risco, do prazer, e da qualidade de vida. Fica evidente que há uma distância entre a formação dos profissionais de Educação Física e estas novas práticas.

Endereço: http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/15662

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.