Estabilidade no Desempenho de Três Diferentes Técnicas de Salto Vertical

Por: , Leonardo Ferreira Cabral e Ramon Franco Carvalho.

Caderno de Educação Física e Esporte - v.12 - n.2 - 2014

Send to Kindle


Resumo

Estudar confiabilidade do salto vertical (SV) é testar a consistência dessa medida para atestar a qualidade dos dados. O objetivo do estudo foi verificar a estabilidade de três diferentes técnicas de SV. Vinte dois homens (22,5 ± 2,7 anos; 174,3 ± 7,0 cm; 71,3 ± 8,2 kg) foram testados em quatro ocasiões. Os SV realizadas no presente estudo foram salto agachado (SA), salto profundo (SP) e salto contra movimento (SCM). A primeira visita foi usada para familiarização. As visitas subsequentes serviram para coletar os dados dos SV em uma plataforma de salto. Quatro saltos máximos de cada modelo de SV foram executados em todas as visitas de forma aleatória, com descarte do pior resultado de cada modelo de SV. O intervalo entre os saltos foi de 45 s e entre os tipos de SV de 5 min. As variáveis mensuradas foram altura do salto, pico de potência absoluta e relativa a massa corporal. Para o SP, além das variáveis citadas também foram analisadas o tempo de contato, tempo de voo e índice de força reativa. Para testar a confiabilidade foi utilizado o CCI. O LC95% proposto por Bland-Altman foi usado para identificar erro randômico e uma ANOVA com medidas repetidas seguida pelo teste post hoc de Bonferroni foi utilizado para observar o erro sistêmico. Os resultados encontrados demonstraram uma alta confiabilidade e baixo erro randômico e sistemático para todas as variáveis testadas. Os SV são ferramentas confiáveis para avaliar a altura do salto, a potência muscular e a força reativa dos membros inferiores.

Endereço: http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/10406

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.