Estimativa do Consumo Máximo de Oxigênio a Partir do Teste de Carminatti (t-car) em Atletas de Futebol e Futsal

Por: Alex Felippe Tomé, Juliano Fernandes da Silva, Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo, Naiandra Dittrich, Paulo Cesar do Nascimento Salvador, Renan Felipe Hartmann Nunes e Ricardo Dantas de Lucas.

Caderno de Educação Física e Esporte - v.14 - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

A busca por testes cada vez mais específicos para avaliar atletas têm sido alvo de estudos científicos nas ultimas décadas. Neste sentido, o teste de corrida de Carminatti (T-CAR) foi proposto em 2004 com intuito de avaliar a aptidão aeróbia de atletas de esportes com características intermitentes, como os esportes coletivos. A principal variável obtida neste teste de campo é o pico de velocidade (PV) que representa a velocidade aeróbia máxima. Por sua vez, o consumo máximo de oxigênio (VO2max) é considerado como o índice fisiológico que melhor representa a potência do metabolismo aeróbio. A possibilidade do PV obtido pelo T-CAR estimar o VO2max ainda não foi analisada na literatura. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi propor uma equação matemática para predizer o VO2max a partir do desempenho obtido no T-CAR. Participaram do estudo 45 jogadores de futebol e futsal provenientes de equipes profissionais do estado de Santa Catarina. Os jogadores foram avaliados em duas ocasiões sendo uma em laboratório (teste incremental de corrida em esteira rolante), e um em campo (teste incremental intermitente no sistema vai-e-vem – T-CAR). Ambos os testes foram conduzidos até a exaustão voluntária. No teste realizado em laboratório, o VO2max foi obtido de forma direta utilizando um analisador de gases.  As médias de valores encontrados entre os participantes do estudo foi de 59,1±4,8 ml.kg-1.min-1 (VO2max) e de 16,5±0,9 km.h-1 para o PV do T-CAR. A análise de regressão linear utilizando o PV obtido no T-CAR resultou na seguinte equação de predição: VO2max= 16,6 + 2,59*PV (r=0,46; p=0,001) e um erro padrão de estimativa de 4,3 ml.kg-1.min-1. Assim, conclui-se que o pico de velocidade obtido no T-CAR pode ser utilizado, ainda que com alguma cautela, como preditor do VO2max em atletas de futebol e futsal. 

Endereço: http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/14477

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.